sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Menstruação


O ciclo menstrual é definido como o tempo que decorre entre o primeiro dia do fluxo sanguíneo até o primeiro dia do fluxo seguinte.

Em média este fluxo dura 28 dias, mas pode ser mais curto, de 25 ou 26 dias ou mais longo, até aos 31 ou 32 dias.

O ciclo menstrual decorre em três fases e tem início com o aparecimento da menstruação. No desenvolvimentos das raparigas o aparecimento da menstruação – ou menarca - é a transformação fisiológica mais importante que ocorre na adolescência e que implica alterações no sistema reprodutor feminino. Este sistema é constituído pelos ovários (que produzem os óvulos), pelas vias genitais (que incluem as trompas, o útero e a vagina) e ainda pela vulva, que é um órgão externo.



Até surgir o fluxo sanguíneo que caracteriza a menstruação decorre todo um processo que vamos explicar a seguir.

A glândula da hipófise secreta as chamadas gonadotrofinas: a hormona foliculoestimulante (FSH) e a hormona luteinizante (LH). Fruto da libertação da FSH, nos ovários, um dos folículos vai crescer durante cerca de duas semanas - fase folicular - e quando chega à maturidade, emerge na superfície do ovário e liberta o óvulo (célula sexual, ou gâmeta feminino) que desce pelas trompas de Falópio (estruturas em forma de tubo, responsáveis pela condução das células sexuais) – é a chamada ovulação.

A libertação das referidas hormonas é também responsável pelo aumento ao afluxo de sangue no útero e do desenvolvimento do endométrio (uma camada espessa no útero e que em caso de gravidez constitui uma fonte de alimento para o embrião).

A ovulação dá-se, assim, cerca do 14.º dia, dando origem à fase ovulatória.

Nesta altura o óvulo pode ser fecundado por um espermatozóide. Caso o óvulo não seja fecundado (a fecundação daria origem a uma gravidez), continuará o seu trajecto descendente pelo canal vaginal. O óvulo sobrevive durante um período de 24 horas no corpo da mulher, enquanto que um espermatozóide pode sobreviver até 72 horas. Da fecundação do óvulo resulta o ovo que se instala na parede uterina – ocorre a nidação.

Após a libertação do óvulo do folículo este transforma-se no chamado corpo amarelo, uma massa sólida dessa cor que, depois de amadurecer e degenerar, será depois expelida aquando da menstruação, fluxo sanguíneo, na fase luteínica.

A menstruação caracteriza-se assim como uma descamação do endométrio caso não tenha ocorrido uma gravidez.

A chegada da menstruação indica pois que os órgãos sexuais já se encontram perfeitamente desenvolvidos e que a partir desta altura, existe já a possibilidade teórica de gerar um filho. As raparigas já nascem com todos os óvulos que terão durante toda a sua vida, que são, em cada ovário, cerca de 250 000. Em cada ciclo menstrual ocorre a maturação de um desses ovúlos. Os rapazes, por seu turno só começam a produzir espermatozóides durante a puberdade.

A menstruação, dura, em média, de 3 a 5 dias. Mas “o período” varia de mulher para mulher e pode também variar na mesma mulher entre ciclos – neste caso diz-se que tem ciclos irregulares. Durante a menstruação por vezes surgem sintomas de uma maior irratabilidade, excitação, ou depressão, e ainda distúrbios digestivos e dores abdominais. Se o mau estar menstrual é acentuado, pode ser o sinal de uma disfunção ovárica.

É normal a primeira menstruação surja durante a puberdade. Factores como o clima, a constituição da jovem, o estado de saúde, o género de vida e a nutrição podem antecipar o seu aparecimento.

É importante estar atenta a todos os sintomas e consultar regulamente um(a) ginecologista.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares

Objectivo Mínimos da Ed.Sexual (por Ciclo)

1.º ciclo (1.º ao 4.º anos)

- Noção de corpo;

- O corpo em harmonia com a Natureza e o seu ambiente social e cultural;

- Noção de família;

- Diferenças entre rapazes e raparigas;

- Protecção do corpo e noção dos limites, dizendo não às
aproximações abusivas.


2.º ano
- Para além das rubricas incluídas nos programas de meio físico, o professor deve esclarecer os alunos sobre questões e dúvidas que surjam naturalmente, respondendo de forma simples e clara.


3.º e 4.º anos
- Para além das rubricas incluídas nos programas de meio físico, o professor poderá desenvolver temas que levem os alunos a compreender a necessidade de proteger o próprio corpo, de se defender de eventuais aproximações abusivas, aconselhando que, caso se deparem com dúvidas ou problemas de identidade de género, se sintam no direito de pedir ajuda às pessoas em quem confiam na família ou na escola.


2.º ciclo (5.º e 6.º anos)
- Puberdade — aspectos biológicos e emocionais;

- O corpo em transformação;

- Caracteres sexuais secundários;

- Normalidade, importância e frequência das suas variantes
biopsicológicas;

- Diversidade e respeito;

- Sexualidade e género;

- Reprodução humana e crescimento; contracepção e
planeamento familiar;

- Compreensão do ciclo menstrual e ovulatório;

- Prevenção dos maus tratos e das aproximações abusivas;

- Dimensão ética da sexualidade humana.


3.º ciclo (7.º ao 9.º anos)
- Dimensão ética da sexualidade humana:

- Compreensão da sexualidade como uma das componentes
mais sensíveis da pessoa, no contexto de um projecto de vida que integre valores (por exemplo: afectos,ternura, crescimento e maturidade emocional, capacidade de lidar com frustrações, compromissos, abstinência voluntária) e uma dimensão ética;

- Compreensão da fisiologia geral da reprodução humana;

- Compreensão do ciclo menstrual e ovulatório;

- Compreensão do uso e acessibilidade dos métodos contraceptivos e, sumariamente, dos seus mecanismos de acção e tolerância (efeitos secundários);

- Compreensão da epidemiologia das principais IST em Portugal e no mundo (incluindo infecção por VIH/vírus da imunodeficiência humana — HPV2/vírus do papiloma humano — e suas consequências) bem como os métodos de prevenção.

- Saber como se protege o seu próprio corpo, prevenindo a violência e o abuso físico e sexual e comportamentos sexuais de risco, dizendo não a pressões emocionais e sexuais;

- Conhecimento das taxas e tendências de maternidade e da paternidade na adolescência e compreensão do respectivo significado;

- Conhecimento das taxas e tendências das interrupções voluntárias de gravidez, suas sequelas e respectivo significado;

-Compreensão da noção de parentalidade no quadro de uma saúde sexual e reprodutiva saudável e responsável;

- Prevenção dos maus tratos e das aproximações abusivas.

Ensino secundário
- Compreensão ética da sexualidade humana.

- Sem prejuízo dos conteúdos já enunciados no 3.º ciclo,sempre que se entenda necessário, devem retomar -se temas previamente abordados, pois a experiência demonstra
vantagens de se voltar a abordá -los com alunos que, nesta
fase de estudos, poderão eventualmente já ter iniciado a vida sexual activa. A abordagem deve ser acompanhada por uma reflexão sobre atitudes e comportamentos dos
adolescentes na actualidade:

- Compreensão e determinação do ciclo menstrual em geral, com particular atenção à identificação, quando possível, do período ovulatório, em função das características dos ciclos menstruais.

- Informação estatística, por exemplo sobre:
-Idade de início das relações sexuais, em Portugal e na UE;
- Taxas de gravidez e aborto em Portugal;
- Métodos contraceptivos disponíveis e utilizados; segurança
proporcionada por diferentes métodos; motivos que
impedem o uso de métodos adequados;
- Consequências físicas, psicológicas e sociais da maternidade
e da paternidade de gravidez na adolescênciae do aborto;
- Doenças e infecções sexualmente transmissíveis (como
infecção por VIH e HPV) e suas consequências;
- Prevenção de doenças sexualmente transmissíveis;
- Prevenção dos maus tratos e das aproximações abusivas.

Recomendamos ...

Arquivo do blog