segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Cancro do colo do útero

Breve estatística
Portugal é dos países da União Europeia o que regista a maior incidência de cancro de colo do útero: cerca de 17 casos por cada 100 mil habitantes, com 900 novos casos por ano.
Todos os anos morrem mais de 300 mulheres em Portugal com este tipo de cancro.


O que é?
As infecções por Vírus do Papiloma Humano (VPH) são muito comuns - estima-se que mais de 70% das pessoas com uma vida sexual activa contraiam pelo menos uma infecção deste tipo. A esmagadora maioria das infecções é controlada pelo nosso sistema imunitário e é quase inofensiva; mas cerca de 20% das infecções tornam-se crónicas e podem estar na origem de um cancro, sobretudo se associadas a outros factores, como os factores genéticos ou os adquiridos, como o tabagismo.

O VPH é um vírus do qual se conhecem, pelo menos, setenta tipos associados a manifestações clínicas específicas, dos quais mais de vinte podem infectar o aparelho genital. Os vírus do papiloma humano, podem ser de alto ou baixo risco, de acordo com o seu potencial oncogénico (ou seja, a capacidade para dar origem a um tumor).

A infecção, que se transmite, habitualmente, por via sexual, frequentemente não apresenta qualquer sintoma específico e pode desaparecer espontaneamente. Em alguns casos, a infecção é persistente, sendo a principal causa de cancro do colo do útero. Está também associada a outras formas de cancro, como o cancro do canal anal e do pénis.

Estima-se que mais de 99% de todos os casos de cancro do colo do útero estejam associados à infecção por VPH, sendo os subtipos 16 e 18 responsáveis por cerca de 70% destes casos.

A vacina
A inclusão da vacina no Programa Nacional de Vacinação surge com a descoberta de duas vacinas: uma contra os subtipos de VPH 6 e 11 e outra contra os subtipos 16 e 18.
A vacina visa prevenir o cancro do colo do útero e outras doenças provocadas pelo VPH.

Em Outubro de 2008 a vacina começou a ser dada a raparigas com 13 anos de idade (nascidas em 1995). Será realizada uma campanha de "repescagem", entre 2009 e 2011, vacinando as raparigas que completem 17 anos no ano da campanha (ou seja abrangendo as mulheres nascidas em 1992, 1993 e 1994).

No combate ao colo do útero aposta-se também na prevenção secundária, na fase adulta da mulher, através do exame citológico do colo do útero.

sábado, 29 de outubro de 2011

Preservativos

O que é um preservativo?
Um preservativo é um método contraceptivo 99% eficaz. É um tubo de material flexível e fino (látex ou poliuretano, regra geral), fechado numa das extremidades. Os preservativos de látex têm dois contras: o seu lubrificante pode fazê-los sair e algumas pessoas são alérgicas; nesse caso, podem usar-se preservativos de poliuretano.

Os preservativos são usados:
- para prevenir a gravidez fazendo com que o esperma do homem não passe para a vagina da mulher;
- para prevenir doenças sexualmente transmissíveis (pelo esperma ou pelo contacto com secreções infectadas das áreas genitais); a maior parte dos preservativos adaptam-se ao pénis. Recentemente foi comercializado o preservativo feminino, que é colocado na vagina da mulher; este preservativo feminino pode ainda ser usado para proteger o recto.

Porquê usar o preservativo?
O preservativo masculino é um método contraceptivo muito antigo (já havia preservativos no Antigo Egipto) mas, apesar das alterações de forma e materiais, o princípio é o mesmo: o preservativo retém o esperma; por isso, os espermatozóides não podem encontrar o óvulo, não o podem fecundar e, logo, não há gravidez. O preservativo é utilizado como forma de prevenir doenças sexualmente transmissíveis (DST), sendo considerado o método mais importante de prevenir o contágio durante as relações sexuais, inclusive para o VIH.

Como utilizar o preservativo?
Colocar o preservativo quando o pénis estiver erecto - sempre antes que o pénis entre em contacto com a boca, a vagina ou o recto do parceiro. Muitos parceiros usam o preservativo demasiado tarde, após alguma penetração inicial. O líquido que sai do pénis antes do orgasmo pode conter espermatozóides (responsáveis por uma gravidez "inesperada") ou vírus (VIH).
Se quiser, colocar um lubrificante aquoso (não usar lubrificantes gordurosos com preservativos de látex) na ponta do preservativo.
Se não for circuncidado, puxar o prepúcio para baixo antes de colocar o preservativo; assim, o prepúcio pode movimentar-se sem danificar o preservativo.
Retirar o ar da extremidade do preservativo deixando a câmara da ponta livre para armazenar o sémen e desenrolar o restante do preservativo até atingir a base do pénis.
Nunca usar dois preservativos sobrepostos. A fricção entre eles aumenta as hipóteses de se estragarem, rompendo-se.
Após o orgasmo, pegar na base do preservativo e retirá-lo sempre antes que o pénis fique mole e com cuidado, para não derramar sémen sobre o parceiro quando o retirar.

Que cuidados ter com os preservativos?
Verificar sempre a data da validade impressa na embalagem do preservativo. No caso de estar fora de prazo ou de a embalagem estar danificada, não usar NUNCA esse preservativo.
Se for necessária uma lubrificação, utilizar apenas lubrificantes aquosos, não utilizar produtos à base de óleo ou de álcool (ou seja, óleo para bebés, vaselina, cremes cosméticos, óleos de massagem, etc.). Estes podem danificar ou enfraquecer o látex no espaço de quinze minutos.
Se estiver a aplicar um medicamento no pénis ou na vagina, este poderá afectar o preservativo. Em caso de dúvida, pedir sempre opinião a um médico ou farmacêutico.
Nunca usar um preservativo mais que uma vez.
Conservar as embalagens de preservativos em lugar fresco e sem contacto directo com o sol ou com temperaturas mais elevadas (o que implica não usar preservativos que viveram durante dias (meses? semanas?) no bolso das calças ou num canto recôndito da carteira).
Abrir a embalagem com cuidado sem utilizar objectos cortantes e evitar que as unhas ou anéis rompam o preservativo.
O preservativo não é reciclável, nem reutilizável. Ou seja, nunca deve ser colocado na sanita.
Embora seja muito raro, há pessoas que podem ser alérgicas ao látex. Se isso acontecer, consultar um centro de saúde.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Menopausa

Caracterização
Trata-se de um fenómeno fisiológico, logo, absolutamente normal, mas que tem um grande impacto na vida da mulher. As implicações decorrentes deste período da menopausa podem ser maiores ou menores consoante a mulher, o seu prévio estilo de vida, os seus hábitos desportivos, os seus comportamentos alimentares e sexuais, entre outros. A menopausa surge por volta dos cinquenta anos de idade, mas este limite pode variar bastante de mulher para mulher. É antecedida por uns anos ou meses (pró-menopatisa) caracterizados por irregularidades menstruais devidas à falta de ovulações.

Com a redução progressiva do funcionamento das glândulas que são conhecidas como ovários, deixa de haver produção das hormonas femininas, denominados estrogénios e deixa também de se efectuar a libertação mensal de óvulos. Assim, o organismo feminino adapta-se a um novo ambiente hormonal designado hipoestrogenismo que se caracteriza por uma descida acentuada dos níveis de estrogénio no corpo. Importa referir que esta situação pode ocorrer mesmo antes do período de menopausa, nos casos de aparecimento de doenças que também acarretam o hipoestrogenismo. Se, na fase da menopausa, houver uma redução rápida e intensa dos estrogénios, é natural que nestas mulheres com doenças haja uma exacerbação dos sintomas da menopausa, que necessitarão de tratamento específico, para alívio dos seus sintomas, ao contrário dos casos em que o hipoestrogenismo se vai instalando lenta e progressivamente (e para o qual o respectivo tratamento só é feito nos casos em que os seus médicos pretendem fazer a prevenção de doenças que surgirão anos mais tarde em consequência do hipoestrogenismo).

Se há várias décadas, as mulheres tinham uma esperança média de vida não muito elevada, com taxas de mortalidade acentuadas, a verdade é que, presentemente, se verifica a situação inversa, ou seja, assiste-se ao envelhecimento global da população, encontrando-se uma percentagem cada vez maior da população feminina em fase pós-menopausa. Actualmente, pode dizer-se que as mulheres viverão cerca de um terço da sua vida em pós-menopausa. Esta realidade faz toda a diferença, não apenas a nível fisiológico, onde os efeitos da privação das hormonas sexuais femininas sobre vários órgãos se fará sentir concretamente, mas também a nível psicológico, social e financeiro. A mulher deparar-se-á com novos problemas relativos a estas áreas, nomeadamente os riscos aumentados de doença cardiovascular, doença óssea e até doença psíquica. Como tal, afiguram-se de extrema importância todos os tratamentos de correcta compensação hormonal que permitirão dar "mais anos às suas vidas e mais vida aos seus anos".


Sintomas
Durante a fase pró-menopatisa os sintomas caracterizam-se por irregularidades menstruais devidas à falta de ovulações. As menstruações abundantes podem traduzir a presença de anomalias do útero e que constituem um risco para doenças graves se não forem corrigidas, quer do útero quer da mama. Já na pós-menopausa surgem outros sintomas devido à falta de hormonas femininas (por serem diferentes causam, por vezes, dificuldades de diagnóstico para quem não esteja familiarizado com este problema). São frequentes os afrontamentos, os calores súbitos, as dores de cabeça, as insónias, o humor depressivo, a irritabilidade, a secura da vagina, as dificuldades sexuais, a incontinência urinária, o aumento de peso, a modificação da pele e do cabelo, as dores ósseas e articulares. Há, ainda, tendência para o aumento de pressão arterial, para a subida de colesterol e, por vezes, para o aparecimento de dores pré-cordiais e alterações no electrocardiograma.

Sistematizando, são estes os sintomas e sinais mais comuns da menopausa:
- Paragem das menstruações
- Aumento de peso, modificação da pele e do cabelo, artralgias, dores ósseas
- Afrontamentos, calores súbitos, sudação, cefaleias (sintomas vasomotores)
- Humor depressivo, insónias, irritabilidade (sintomas psíquicos)
- Incontinência urinária, secura da vagina, dificuldades sexuais (sintomas urogenitais)
- Aumento da pressão arterial e do colesterol, pré-cordialgias, alterações no E.C.G. (sintomas cardiovasculares)

Como tal, sempre que não haja contra-indicação, deverá proceder-se à substituição hormonal. A partir da década de cinquenta, foi desenvolvida uma terapia de substituição hormonal (TSH), usando apenas estrogénios, ou com progesterona, para colmatar os efeitos da menopausa. A realização desta terapia, a longo prazo, tem sido associada ao aumento de incidência do cancro do útero e à formação de coágulos nos vasos sanguíneos, mas formulações recentes, que usam estrogénios naturais, não têm sido associadas a estes efeitos secundários. Sem uma terapia de substituição hormonal existe um aumento do risco de aparecimento da osteoporose (adelgaçamento e fragilização dos ossos), o que pode levar a fracturas ósseas, muitas vezes fatais no caso de mulheres de idade avançada.

Alerta-se para o facto de nunca se dever iniciar um tratamento sem que se conheçam os resultados de uma mamografia, de uma ecografia ginecológica, de análises bioquímicas, ou de uma citologia cervico-vaginal (Papanicolau).

Eis uma lista de exames a efectuar antes de iniciar a Terapêutica Hormonal de Substituição:
- Exame ginecológico com citologia cervico-vaginal (Papanicolau)
- Mamografia
- Ecografia ginecológica
- Perfil lipídico
- Densitometria

De salientar que existem situações em que os tratamentos de substituição hormonal são contra-indicados. É o caso da presença de cancro da mama e do útero (adenocarcinomas), dos sangramentos vaginais de causa desconhecida, dos acidentes trombo-embólicos, em fase aguda, das doenças graves do fígado, e dos nódulos da mama de natureza não esclarecida.


Tratamento
Cada caso tem de ser estudado criteriosamente, de modo a escolher-se o melhor tipo de hormonas a utilizar, a dose recomendada e a melhor via da sua administração. Durante o tratamento é indispensável verificar se se obtém a desejada eficácia clínica e se há normalização dos factores de risco ósseo e cardiovascular. Por isso, nas mulheres que possuem útero devem utilizar-se sempre as duas hormonas femininas: os estrogénios e a progesterona, administrados em combinação diária ou sequencialmente (no primeiro caso, não surgem sangramentos; no segundo, há "menstruações" mensais).
No caso das mulheres que já não possuem útero deverão utilizar-se apenas os estrogénios.
É necessário tomar o equivalente a 1 grama de cálcio por dia (contido em 1 litro de leite). É altamente recomendada a prática de exercício físico regular bem como uma alimentação equilibrada e com muitas fibras (vegetais, cereais). Saliente-se que o recurso a antidepressivos e tranquilizantes é muito raro, ainda que pareça ser muito indicado o seu uso.

As interessadas poderão ter Consultas de Menopausa um pouco por todo o País, nomeadamente:
- Hospital Garcia da Orta (Almada)
- Hospital Fernando Fonseca (Amadora)
- Hospital Distrito de Aveiro (Aveiro)
- Hospital Nossa Senhora do Rosário (Barreiro)
- Hospital de São Marcos (Braga)
- Hospital Distrito de Cascais (Cascais)
- Hospitais da Universidade de Coimbra (Coimbra)
- Maternidade Bissaya Barreto (Coimbra)
- Hospital do Espírito Santo (Évora)
- Hospital Distrital de Faro (Faro)
- Hospital da Senhora da Oliveira (Guimarães)
- Hospital Sousa Martins (Guarda)
- Hospital D. Estefânia (Lisboa)
- Hospital Egas Moniz (Lisboa)
- Hospital de Santa Maria (Lisboa)
- Hospital São Francisco Xavier (Lisboa)
- Maternidade Alfredo Costa (Lisboa)
- Hospital de Ponta Delgada (Ponta Delgada)
- Hospital Dr. José Maria Grande (Portalegre)
- Hospital Hospital de São João (Porto)
- Hospital do Terço (Porto)
- Hospital Geral de Santo António (Porto)
- Hospital P. Hispano (Porto)
- Maternidade Júlio Dinis (Porto)
- Hospital de Santo Tirso (Santo Tirso)
- Hospital de Vila Nova de Gaia (Vila Nova de Gaia)
- Hospital São Teotónio (Viseu)


Curiosidade
O Dia Mundial da Menopausa é assinalado a 18 de Outubro.


Bibliografia:
http://www.spmenopausa.pt/
www.universal.pt

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Entrada dos jovens no mundo dos adultos

Remontando à criação do homem, o processo ritual acompanha a humanidade desde os seus primórdios. Reveladores dos valores mais profundos das comunidades, os rituais adquirem uma particular importância no debute no mundo adulto.

É um percurso individual, onde cabe o amor, a insegurança, a expectativa, a emoção e as sensações físicas. A maturidade, tanto emocional como física, passa por várias fases e as influências da família, dos amigos, companheiros e mesmo das mensagens implícitas ou impostas pelos meios de comunicação e grupos sociais podem originar reacções muito diferenciadas, o que poderá afectar a auto-estima do jovem.

A transição para a fase adulta e as mudanças consequentes, podem provocar tanto sensações de felicidade, êxtase e orgulho, mas também, de ansiedade, tensão, confusão e mesmo de algum desespero. É ainda uma fase de procura de informação fiável de busca de resposta para muitas questões. Neste processo de maturação, é decisiva a liberdade de escolha, a confidencialidade e o recurso a um apoio compreensivo.

No que diz respeito à questão da sexualidade, e apesar deste ser uma tema cuja importância vai sofrendo alterações ao longo da vida, para o jovem é algo que quase se impõe, independentemente da sua vontade. Mas é importante salientar que o jovem poderá não se sentir ou não querer ser sempre sexualmente activo.

Na maioria da sociedades, é um momento marcante, para a rapariga, a chegada da primeira menstruação. O seu comportamento poderá sofrer com as mudanças hormonais e as adaptações do seu corpo, num primeiro embate com a entrada nas responsabilidades do mundo adulto.

O ingresso neste mundo está intimamente ligada a ritos de iniciação, que se diferenciam entre regiões do mesmo país ou entre países, mas constituem uma importante parte da cultura, tendo lugar na puberdade e de formas separadas para rapazes e raparigas. Nestes momentos, simplesmente traduzidos, por exemplo, numa conversa entre um dos pais e o filho(a), ou adquirindo a dimensão uma cerimónia comunitária, pretende-se ensinar a lidar com a sexualidade e outros aspectos da vida adulta, ajudando a compreender um conjunto de mudanças ocorridas no corpo. Numa preparação para os desafios da vida em sociedade, os ensinamentos são transmitidos, consoante a tradição ou a oportunidade, pelos pais, pela família, por educadores, por pessoas mais velhas e de experiência reconhecida...

Um dos aspectos mais importantes do rito de iniciação, em algumas comunidades, é a circuncisão dos rapazes; um procedimento que deverá ser executado em segurança numa clínica com condições higiénicas e instrumentos esterilizados. É muito importante que os praticantes estejam a par dos riscos para a saúde e da dor associada a este procedimento.

Mas a entrada no mundo dos adultos implica muitas outras dimensões e acarreta consigo um primeiro contacto com algumas responsabilidades que farão parte da vida futura, mas que o jovem poderá recear. A escolha de uma profissão, o sair de casa, encontrar uma habitação, constituir família enfim, uma série de responsabilidades sociais, financeiras, de deveres e direitos com que o jovem, gradual ou abruptamente, se vai confrontando.

Fases de solidão, acontecimentos decepcionantes e insucessos podem ser traumatizantes e é essencial o devido acompanhamento da família, dos professores e companheiros.

O jovem prepara-se para dar entrada no mundo dos adultos, mas este é diferente do dos seus pais. As influências são marcadas pela actualidade, as experiências têm uma outro contexto, num crescimento marcado por uma dualidade entre dois percursos, social e individual, que se acompanham, por vezes, em conflito, outras de forma mais harmoniosa.



Bibliografia
Federação Internacional para o Planeamento Familiar
BBC World Service

domingo, 23 de outubro de 2011

Doenças Sexualmente Transmissíveis


O que são Doenças Sexualmente Transmissíveis?
As Doenças Sexualmente Transmissível (conhecidas como DST) transmitem-se através do contacto sexual, embora a relação sexual não seja a única forma de transmissão, apenas a mais frequente. Durante muitos séculos estas doenças foram designadas doenças venéreas, por estarem directamente ligadas ao acto sexual e por ser Vénus o nome da deusa que, segundo os Romanos, "tutelava" as questões amorosas.

Estas doenças contraem-se por contacto uma pessoa infectada, que pode ou não exibir sinais exteriores da doença (trata-se de um portador, uma pessoa que está infectada, transmite a doença mas não apresenta - ainda - os sintomas).
Por o ambiente que rodeia os órgãos sexuais ou ligados ao acto sexual (vagina, pénis, ânus, boca) ser quente e húmido, ele constitui um habitat ideal para o desenvolvimento dos microorganismos patogénicos que provocam a doença.
No entanto, algumas DST, como a sífilis, podem transmitir-se da mãe (que pode não saber estar infectada) para a criança durante o parto, causando sérias lesões ou até a morte do bebé.


Quais as Doenças Sexualmente Transmissíveis que existem?
Além da SIDA; as doenças sexualmente transmissíveis mais comuns são:

Sífilis (conhecida em alguns meios como "cancro duro")
A sífilis é uma doença venérea que tem consequências em todo o organismo. Cerca de três semanas após o contacto sexual com uma pessoa infectada, surge uma ferida não dolorosa, localizada nos órgãos genitais, na boca ou no ânus, conforme o tipo da relação sexual infectante. Simultaneamente há um aumento dos gânglios linfáticos na região afectada, que se tornam duros e geralmente não dolorosos. Na mulher, esta ferida ou ulceração pode localizar-se na vagina ou no colo do útero e, por isso, não é visível.
Algumas semanas depois, mesmo sem tratamento, as feridas cicatrizam, mas a infecção continua no organismo. Semanas ou meses depois, aparecem manchas no corpo, que atingem as palmas das mãos e plantas dos pés. As manchas não dão comichão e podem ser acompanhadas de febre, mal estar, dor de garganta e rouquidão. Neste estado, chamado período secundário sifilítico, os sintomas podem desaparecer sem tratamento, permanecendo no entanto a infecção.
As grávidas infectadas podem transmitir a doença ao bebé.

Gonorreia ou blenorragia (conhecida em alguns meios como "esquentamento")
A gonorreia é causada por uma bactéria chamada Neisseria gonorrhoeae, que pode viver nas membranas mucosas que protegem a garganta, o colo do útero, a uretra ou o ânus.
No homem, a doença surge normalmente três dias após a infecção. Os principais sintomas são: ardor ao urinar, corrimento amarelado ou pus no canal urinário, por vezes com cheiro fétido. Na mulher, a infecção localiza-se habitualmente no colo do útero e pode não provocar sintomas.
Esta doença cura-se facilmente recorrendo ao tratamento correcto.

Infecção por Chlamydia trachomatis
Esta infecção é semelhante à gonorreia. O local da infecção depende do tipo da relação sexual que originou o contágio. No homem, aparece corrimento escasso, ardor mais ou menos intenso ao urinar, sintomas estes mais frequentes de manhã. Na mulher, na maior parte dos casos, a infecção não produz sintomas, podendo ocasionar corrimento ligeiro. No entanto, se não for tratada a tempo, a infecção pode alastrar, ocasionando uma inflamação nas trompas e nos ovários, que pode provocar infertilidade.
A infecção por clamídia cura-se facilmente recorrendo ao tratamento correcto.

Herpes genital
Esta doença é provocada pelo vírus Herpes simplex. A doença manifesta-se pelo aparecimento na área genital de pequenas manchas avermelhadas, que provocam sensação de queimadura, sobre as quais surgem pequenas bolhas ou vesículas que ao fim de alguns dias rompem, ocasionando feridas que se cobrem de crostas. Após cerca de uma a duas semanas as lesões curam sem deixar cicatrizes.
O herpes genital é doença crónica recorrente, ou seja que evolui por surtos, sendo o intervalo entre eles variável. Há medicamentos que tratam as lesões de herpes e prolongam os intervalos livres de doença. Não há ainda nenhum medicamento que cure definitivamente a infecção.
O herpes não é uma doença grave embora seja incómoda quando surge com intervalos curtos. Enquanto existirem lesões na pele ou mucosa genital há perigo de contágio para o(a) parceiro(a), pelo que a actividade sexual deve ser suspensa.
As mulheres grávida com história de Herpes Genital devem informar o seu médico sobre a doença, para que sejam tomadas as medidas necessárias para que não haja contágio do bébé durante o parto.

Hepatite B
A hepatite B é uma infecção provocada por vírus e que ataca o fígado. Este vírus vive no sangue, na saliva, no suor, no esperma e no corrimento vaginal. Muitos casos de hepatite resultam da partilha de agulhas e seringas infectadas, mas a transmissão sexual é também frequente. O risco de contrair hepatite B é oito vezes superior ao de contrair SIDA.
A infecção pelo vírus da hepatite B pode não provocar qualquer queixa, ou apresentar sintomas ligeiros como cansaço, náuseas e dores. Pode também dar origem a icterícia, o que faz com que a parte branca dos olhos e a pele se tornem amarelos e a urina fique muito escura.
A doença pode ser muito grave, até mortal. Algumas pessoas infectadas passam a ser portadoras e transmissoras do vírus.
Existe vacina contra a hepatite B.

Pediculose púbica (conhecida em alguns meios como "chatos")
Os piolhos do púbis são parasitas dos pêlos à volta da vulva, do pénis e do ânus. Podem aparecer na roupa interior como pontos vermelhos ou acastanhados. O contágio pode acontecer por contacto sexual ou através da roupa. Par os elimonar é aconselhável rapar os pêlos do púbis pois tal torna mais fácil o controlo da doença, que deve ser tratada por um médico especialista. A roupa interior e a roupa da cama deve ser lavada e fervida.


Sinais graves de alerta
A observação de qualquer alteração estranha nos órgãos sexuais justifica uma ida ao médico.

No caso da mulher, é alarmante notar:
Líquidos vaginais brancos e com mau cheiro.
Comichão ou sensação de queimadura na vulva, na vagina ou no ânus.
Sensação de ardor ao urinar.
Lesões na pele e mucosas dos órgãos sexuais.
Dor na parte inferior do abdómen, sobretudo quando esta se repete com frequência.

No caso do homem, há que tomar medidas quando notar:
Corrimento, tipo pus, a sair do pénis.
Lesões na pele e mucosas dos órgãos sexuais.
Sensação de ardor ao urinar.

Após detectar estes sinais, a pessoa afectada deve alertar os parceiros sexuais, habituais ou ocasionais, a fim de que também eles (mesmo que não apresentem sinais exteriores de contaminação) procurem um médico.

É muito importante que as pessoas que apresentem estes sinais não se tratem sozinhas, com cremes, comprimidos ou "receitas caseiras/tradicionais" mais ou menos infalíveis, sem terem consultado um médico.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Assédio sexual

Olhares tão penetrantes que parecem despir, peça a peça, a roupa que se veste, toques despropositados, bilhetinhos cheios de segundas intenções e, em casos extremos, piropos que não deixam nada à imaginação. É assim que se descrevem os muitos casos de assédio sexual que, seguindo alguns testemunhos, ocorrem em vários locais de trabalho.

O assédio sexual não é uma brincadeira sem consequências e, muito menos, uma tentativa de aproximação romântica. O assédio é, isso sim, uma forma de agressão que, além de atentar contra a dignidade da pessoa a quem se dirige, também acaba por minar a sua própria relação com a função que desempenha na empresa.

E, se reparaste bem, até agora falámos nas vítimas enquanto pessoas, sem definir o seu género. Isto porque, apesar ser mais comum colocar as mulheres no papel de vítima de agressão (talvez devido à subserviência que lhes foi atribuída ao longo da História), a verdade é que também os homens passaram a ser alvo de assédio sexual.

Estranho, não é?... “Como é que uma mulher consegue assediar sexualmente um homem?”. Bom, tens que perceber que “assédio” não é sinónimo de agressão física (apesar de ser essa a conotação mais forte), mas sim de uma questão de poder abusivo.

Existe um filme protagonizado por Demi Moore e Michael Douglas (Disclosure - Revelação) no qual é transmitida a ideia de como é que um homem se pode tornar vítima de assédio sexual por uma superior hierárquica.

A pior consequência de uma situação de assédio é a perda do emprego e da credibilidade. Como poderás imaginar, alguém que não “colabore” com o assediador corre o risco de ver a sua posição na empresa ser posta em causa ou, pior, acabar por perder o emprego.

Mas o facto é que, apesar da situação descrita, frequentemente as vítimas não chegam a denunciar o assédio. Fazem-no porque temem ser completamente desacreditadas pelo assediador e tornar-se alvo de chacota geral. Outros não o fazem por medo ou por não saber o que fazer ou a quem recorrer nestas circunstâncias.

O facto é que é se torna difícil saber em que ponto é que um piropo (ou outra acção) ultrapassa os limites legais.
No entanto, mesmo sem existir uma fronteira legal, a vítima de assédio não pode simplesmente cruzar os braços e aceitar a sua (má) sorte de “bom” grado. A partir do momento em que não se denuncia um abuso destas proporções, passa-se a ser conivente com uma situação que, como já dissemos, pode piorar e passar das palavras aos actos (abuso físico).

Por isso, convém saberes que há atitudes a tomar caso esta situação de assédio se verifique:

Começar por deixar bem claro que esses avanços te são desagradáveis e que te recusas a participar.

Se mesmo assim o assédio persistir, tenta falar com amigos/familiares/colegas sobre o assunto. Não é boa ideia guardares os teus sentimentos só para ti. E, caso seja necessário mais tarde, terás alguém que te apoie.

Arranja provas que não deixem dúvidas sobre o que se está a passar. Grava conversas, guarda bilhetinhos ou e-mails comprometedores e, se conseguires, arranja uma testemunha.

Depois de reunires provas (isto é muito importante porque uma acusação de assédio sexual não deve ser feita de ânimo leve), deves dirigir-te à entidade patronal. O mais correcto será redigir uma denúncia escrita e enviá-la através de carta registada com aviso de recepção.

É importante apresentar queixa à CITE (Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego).

Informa o teu sindicato do que se está a passar para que te possa defender. Caso não sejas sindicalizado(a) faz queixa ao Delegado do Ministério Público do Tribunal do Trabalho ou da Comarca da tua residência.

Para terminar, deves apresentar queixa na GNR, PSP ou na Polícia Judiciária da tua área!


Como já percebeste, o assédio sexual é uma situação muito grave, por isso não deixes que se prolongue. Mesmo que não se passe contigo, se tiveres conhecimento de alguém que esteja a passar por esse problema, tenta ajudá-lo(a).

É preciso que haja uma mudança de mentalidades de forma a cimentar a igualdade e o respeito no local de trabalho. Faz a tua parte!

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Período: Modos de agir

Algumas mulheres têm dores durante o período. Outras não sentem nada. Embora possa haver nisto uma componente psicológica, está provado clinicamente que o desconforto físico e as dores menstruais - que se designam por dismenorreia primária - têm uma origem fisiológica normal mais uma vez relacionada com hormonas: as prostaglandinas. Produzidas pelo próprio endométrio e aí acumuladas antes de se iniciar o período, vão sendo absorvidas pelos músculos uterinos que se contraem para expulsar o fluxo menstrual, provocando as tais sensações dolorosas, a nível do abdómen. O efeito das prostaglandinas no organismo pode, além destas contracções uterinas mais ou menos dolorosas, provocar nalgumas pessoas, diarreia, vómitos, dores de cabeça e mau estar geral.

A tensão pré-menstrual (designada TPM por muitos) refere-se a sensações de inchaço, de seios doridos, ao aparecimento de borbulhas, a irritabilidade, ansiedade e nervosismo que também algumas jovens e mulheres começam a ter cerca duma semana antes de se iniciar o período. Médicos e cientistas apontam como causa a variação nos níveis de estrogéneo e progesterona que acontecem nesta fase do ciclo.

Há contudo pessoas que podem ter dores provocadas por problemas ginecológicos – a chamada dismenorreia secundária - não sendo esta habitualmente a origem das que acontecem nas jovens.
Para aliviar este desconforto, existem várias alternativas:

Tomar um analgésico especifico para a dismenorreia. Não se deve tomar qualquer analgésico sem pedir conselho ao médico ou ao farmacêutico.

Fazer exercício físico, pois este ajuda à produção de endorfinas, neutralizador natural das dores.

Tomar um banho morno relaxante, ou colocar um saco de água quente na barriga, o qual ajuda ao relaxamento muscular.

Fazer uma auto-massagem suave no abdómen.

Comer menos sal e beber mais água, o que diminui a retenção de líquidos nos tecidos e o desagradável inchaço.

Procurar fazer uma vida normal, não (sobre)valorizando as dores e o desconforto.

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Masturbação

A masturbação é o acto de acariciar, tocar e estimular partes do corpo, com o objectivo de proporcionar prazer. É um acto que pode ser praticado isoladamente ou pelo casal, uma vez que é considerada uma das melhores formas de auto-conhecimento sexual.
Quem pratica a masturbação consegue, assim, saber e conhecer melhor as zonas do seu corpo (erógenas) — para além das genitais —que lhe proporcionam maior prazer, podendo contribuir para uma vida sexual mais gratificante. Para além do toque aquando da masturbação, as fantasias sexuais individuais accionam a excitação e o prazer momentâneo.

A masturbação pode ser praticada por pessoas de ambos os sexos e não acontece apenas na adolescência. Faz parte da sexualidade humana, ao longo da vida, embora possa ser mais frequente nesta fase, que está associada à descoberta do corpo.

Não existe nenhum estudo científico que demonstre que a masturbação causa problemas de saúde ou alterações/reacções físicas, como o crescimento anormal de pêlos, impotência, aparecimento de borbulhas, perda da virgindade, aumento de peso ou, ainda, que cause infertilidade, entre outros.

As referências a estas alterações físicas hipoteticamente decorrentes da masturbação são consideradas pela comunidade médica como sendo mitos sociais sustentados pela ideia de que a actividade sexual do ser humano deve ter como objectivo final a reprodução, em detrimento do prazer físico e psicológico. Mas os mitos não passam disso mesmo.

É importante esclarecer que a masturbação não faz mal à saúde. É uma simples e natural prática sexual, em que se explora e descobre o próprio corpo em busca de prazer. Só poderá ser considerada prejudicial quando altera a rotina diária do indivíduo, em que este se refugia na masturbação, evitando sociabilizar, por pensar que é mais fácil e simples do que procurar a companhia e o relacionamento com outras pessoas. Nesta perspectiva, é importante gostarmos do que vemos quando nos olhamos ao espelho e a masturbação faz parte dessa descoberta, de nós próprios e dos outros.
Segundo a Declaração dos Direitos Sexuais, “a sexualidade é uma parte integral da personalidade de todo o ser humano. O desenvolvimento total depende da satisfação de necessidades humanas básicas, tais como desejo de contacto, intimidade, expressão emocional, prazer, carinho e amor”.

sábado, 15 de outubro de 2011

Escola e Educação Sexual

Comecemos por enquadrar a sexualidade. A sexualidade tem uma vertente emocional, sendo um elemento essencial na formação da identidade global, do auto-conceito, da auto-estima e do bem-estar físico e emocional de qualquer ser humano. É também uma componente essencial do relacionamento com os outros, nomeadamente no campo amoroso.

A sexualidade pode também estar associada a acontecimentos com uma carga negativa: gravidez não desejada, transmissão de doenças sexuais, episódios de violência e abuso.

A faceta mais marcante da sexualidade, no contexto escolar, é o facto de ser uma das características humanas mais determinadas e moldadas pelo processo de socialização. O que cada um de nós é, fantasia, deseja ou põe em prática a nível sexual é o resultado de uma processo de interacção e aprendizagem contínuo, realizado num contexto formal (a escola ou a religião, por exemplo) ou informal (os meios de comunicação social, são o exemplo por excelência).

Uma vez que todas as sociedades procuram, formal ou informalmente, transmitir valores fundamentais e normas de conduta no que à sexualidade toca, a Escola tem um papel a desempenhar neste âmbito, enquanto espaço privilegiado de socialização para as crianças e os jovens.

Voluntária ou involuntariamente, a Escola é um lugar onde se constroem saberes e que suscita vivências ao nível afectivo-sexual (“faça as contas” à sua vida sentimental e veja se não é verdade que conheceu a maior parte dos(as) seus (uas) namorados(as)… na Escola) e que não se pode furtar a uma abordagem:
- formal;
- estruturada;
- intencional;
- adequada;
de um conjunto de questões relacionada com a sexualidade humana, a qual é comummente designada Educação Sexual em contexto escolar.

Assim, cabe à Escola esforçar-se para:
- formar agentes educativos (professores, auxiliares de acção educativa, psicólogos,…) que ajam de forma adequada e coerente face às dúvidas que lhes são colocadas;
- abordar de forma pedagógica os temas da sexualidade humana, privilegiando o espaço turma;
- apoiar as famílias na Educação Sexual de crianças e jovens, envolvendo-as no processo de ensino/aprendizagem e/ou em actividades específicas;
- estabelecer mecanismos de apoio individualizado e específico às crianças e jovens que dele necessitem. Para terminar, a Escola não deve deixar de lado a estratégia de formação pelos pares, recorrendo a líderes de pares que, graças à sua capacidade de influenciar os outros jovens na sua forma de pensar e agir, podem contribuir de forma significativa para a Educação Sexual, nomeadamente no que diz respeito à prevenção de comportamentos de risco. Na programas de educação pelos pares que são bem sucedidos pesam-se os seguintes aspectos:
- os jovens tendem a imitar amigos/colegas que tomam como modelo;
- é frequente que os jovens ouçam o que esses colegas carismáticos (líderes) lhes dizem;
- estes líderes de pares podem influenciar o comportamento dos restantes jovens de forma positiva através do seu protagonismo e modo de agir;
- estes líderes de pares podem encorajar e apoiar os restantes, quer dentro quer fora da Escola;
- estes líderes podem funcionar como auxiliares do professor em actividades na sala de aula, ajudando colegas que trabalhem, por exemplo, em pequenos grupos.

É, porém, necessário frisar que em circunstância alguma deverão estes jovens assumir papéis que cabem a profissionais e técnicos adultos.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

"Primeira vez" com segurança

PERGUNTA:
Olá! Gostava de saber qual é o período fértil da mulher pois queria ter uma primeira vez segura. Tenho 14 anos e tenciono usar também o preservativo.
Estou a fazer alguma coisa errada? Será cedo demais?

RESPOSTA:
O período fértil são cerca de seis dias e situam-se a meio do ciclo menstrual. Se tiveres um ciclo de 28 dias, o período fértil situar-se-á entre o dia 11 e o dia 16, a partir do dia em que começou a tua menstruação.
Mas atenção! Nunca te fies só nisto! O ritmo do corpo da mulher varia de pessoa para pessoa, e há por aí muitas gravidezes que aconteceram durante o suposto período "seguro".

Se não queres mesmo engravidar, protege-te! Protejam-se! Usem o preservativo, por exemplo.

Cedo demais... Talvez.
É muito importante que nunca tenhas relações só porque sim, porque as outras pessoas têm. Deve ser só quando TU te sentires preparada e com a pessoa que escolheres e que te escolher.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Direitos Sexuais e reprodutivos no mundo contemporâneo

As palavras de Shakespeare na boca de Othelo tornaram-se clássicas e remetem-nos para a sempre presente questão da existência humana, para as suas dúvidas e angústias, as suas vississitudes e fragilidades. Quem nunca se terá, em algum momento da sua existência, questionado sobre o sentido da sua vida, sobre se lhe fazia sentido continuar a viver, sobre se existe algum propósito no facto de respirar, ter um coração que bate e, acima de tudo, um cérebro que pensa e que é a sede de todas estas dúvidas…? De um modo ou de outro, sabemos que é essa existência, é essa vida o que de mais precioso temos e que tudo o resto é supérfluo, secundário, dispensável. Todos os bens materiais do mundo não chegam para pagar uma vida humana que é, por definição, sem preço.

Se nem sempre este valor foi reconhecido como hoje, se ainda na actualidade em certos contextos culturais e em certas circunstâncias peculiares (por exemplo, na guerra) a vida humana pode ser posta em segundo plano em função de bens considerados maiores, sejam eles materiais, espirituais ou outros, o certo é que o direito à vida, em termos da política internacional como à luz das correntes ideológicas predominantes, é considerado como o principal dos direitos humanos. Lê-se na carta internacional dos direitos do Homem, logo no seu primeiro ponto que “todos os Homens têm direito à vida”. Vejamos a lista completa destes direitos:

1 - O direito à vida.
2 - O direito à liberdade e segurança da pessoa.
3 - O direito à igualdade e o direito a estar livre de todas as formas de discriminação.
4 - O direito à privacidade.
5 - O direito à liberdade de pensamento.
6 - O direito à informação e à educação.
7 - O direito de escolher casar ou não e de constituir e planear família.
8 - O direito de decidir ter ou não os filhos e quando os ter.
9 - O direito aos cuidados e à protecção da saúde.
10 - O direito aos benefícios do progresso científico.
11 - O direito à liberdade de reunião e participação política.
12 - O direito a não ser submetido nem a tortura, nem a tratamento desumano ou degradante.

Se a carta dos direitos humanos tem já vários anos de existência, em tempos mais recentes surgiu a necessidade de salvaguardar outro tipo de direitos. Referimo-nos aos direitos sexuais e reprodutivos que são o conjunto de princípios relacionados com a sexualidade e com a saúde sexual e reprodutiva que todos os indivíduos deverão ter garantidos. Não por acaso, quando se começou a pensar em criar esta lista, foi na anterior, ou seja, na dos direitos humanos onde mais do que inspiração, se foi buscar o mote para desenvolver um conjunto de princípios que se considera necessário salvaguardar.

Deste modo, no que respeita ao referido direito à vida, ele foi utilizado para reforçar algumas das questões que se têm colocado a este propósito no que se refere à questão do género. Exemplos disso são que a vida de nenhuma mulher não deverá ser posta em risco devido à gravidez, ou que a vida de nenhuma criança deverá ser posta em causa devido ao seu género, masculino ou feminino. Sabemos que, ainda hoje existem situações de grandes inequidades relacionadas com o facto de se nascer com um sexo masculino ou feminino. Em alguns contextos culturais, ser-se mulher pode ser um factor de risco. Mesmo em contextos considerados mais “evoluídos”, o género continua a ser um factor de desigualdade, existindo contextos em que se proporcionam maiores condições e possibilidades aos níveis familiares (saídas das raparigas à noite), sociais (o que é permitido a uns e outros fazer em contextos sociais – para as mulheres certos comportamentos podem fazer com que sejam vistas como “mulheres mal comportadas”), profissionais (que profissões são mais acessíveis a indivíduos de que género).

Por este motivo, um dos direitos consagrados pela legislação de diversos países é o da não discriminação baseada do sexo. O que não significa necessariamente que esse direito seja garantido a todas as pessoas. De resto, se optou por introduzir este direito também na carta de direitos sexuais e reprodutivos, tal implica necessariamente que esse é ainda um direito que não se encontra plenamente verificado por esse mundo fora. Caso contrário não seria necessário salvaguardá-lo. Por outro lado, não será alheio a este cuidado de quem elaborou a lista o facto de que a sexualidade é algo intrinsecamente humano. Desde que nascemos que somos seres sexuados e sexuais. Sexuados porque, como já foi reforçado, todos nascemos com um determinado sexo biológico, que cria toda uma série de expectativas, ainda antes de se nascer, na fantasia dos pais, potenciado pela tecnologia que permite que este tipo de informação esteja disponível a partir dos cinco meses.

Somos também sexuais porque desde que nascemos que temos uma tendência natural para gostar de experimentar o prazer. Além disso, o mundo da sexualidade não é constituído apenas da dimensão física e muito menos genital do sexo, mas enriquecida por toda uma dimensão imagética, fantasiada, vivida no âmbito do desejo e da atracção, do sonho e da sedução, e tudo isto mesmo que nunca se chegue a concretizar o acto sexual. É exactamente devido a toda esta dimensão da sexualidade que é importante pensar sobre a questão dos direitos sexuais e reprodutivos.

Sendo uma questão que pode parecer relativamente teórica e pertencendo à esfera da ideologia e eventualmente da política, ultrapassa em muito esta vertente e relaciona-se com a vida de todos nós de uma forma muito próxima. No que respeita aos direitos sexuais, como em relação aos direitos humanos, ou outros, temos sempre que ter em consideração que os direitos de uns terminam quando se iniciam os de outros. Se na actualidade é relativamente consensual o facto de que as pessoas têm relações sexuais eminentemente e na grande maioria das vezes por prazer, será o prazer sexual um direito de todos? A resposta aparentemente lógica a esta questão é que sim, ou seja, todas as pessoas têm direito a ter prazer sexual. Mas e se a minha forma de ter prazer interfere com o bem estar de outros, será que se mantém este direito? O exemplo talvez mais actual desta questão é o da pedofilia. Um pedófilo é, por definição, um indivíduo que se excita sexualmente e que tem desejo sexual por crianças e pré-adolescentes. A sua forma preferêncial de ter prazer sexual é, assim, através das relações sexuais com menores. Terá este indivíduo direito a concretizar as suas fantasias e desejos? De acordo com muitos destes indivíduos, a resposta é que sim. De acordo com a maioria das restantes pessoas e de acordo também com a legislação vigente ma maioria dos países, a resposta consensual é que não. Neste caso em particular o direito que um indivíduo tem em ter prazer não é superior à possibilidade de, através desse acto, ser posto em causa o bem-estar e equilíbrio de uma criança.

Um outro exemplo, relacionado com situações que, à semelhança da pedofilia, não são frequentes, mas que vão encontrando alguma expressão em alguns meios, nomeadamente entre os mais jovens. Refiro-me ao sadomasoquismo, ou seja, a todas e quaisquer práticas em que se utilize a indução de dor, humilhação e sofrimento sobre outra pessoa ou sobre si próprio com o objectivo de obter gratificação sexual. Têm as pessoas sadomasoquistas direito aos seus (des)prazeres? É legitimo provocar dor noutras pessoas ou em si próprio para satisfazer as suas fantasias? Durante muito tempo o sadismo e o masoquismo foram considerados como perturbações mentais, como perversões do desejo e portanto como desvios do comportamento sexual considerado “normal”. Porém, o que é considerado normativo num dado momento deixa de o ser num outro e é sempre importante que existam outros parâmetros que nos permitam qualificar um dado comportamento ou preferência como “anormal”. Em relação à pedofilia, já vimos que no momento actual se consideram os direitos da criança ao bem-estar e à protecção como superiores aos desejos de outrém, fazendo com que o desejo do pedófilo seja considerado perturbado. Em relação ao sadomasoquismo, a posição é um pouco diferente, desde que seja praticado entre adultos que consintam em envolver-se nesses comportamentos e também que não sejam motivo de preocupações e angústias que interfiram com o bem-estar subjectivo do indivíduo. É certo que isto se passa ao nível do que é actualmente mais consensual entre os profissionais da saúde mental, e não propriamente ao nível do senso comum em que o olhar sobre este tipo de práticas é ainda pesado.

Mas nem precisamos de recorrer a exemplos tão extremos para continuarmos a discutir as questões dos direitos sexuais. Refiro-me à questão da livre associação amorosa, ou seja, supostamente todos temos o direito de nos relacionarmos amorosa e sexualmente com quem quisermos (e também com quem se queira relacionar connosco). O certo é que se a pessoa com quem optamos por nos relacionar é do mesmo sexo, as coisas mudam um pouco de contornos. Não é que seja proibido o relacionamento afectivo entre pessoas do mesmo sexo (ainda que a não discriminação com base na orientação sexual não esteja consagrada na lei), mas o certo é que o assumir publicamente de uma relação homossexual não é livre de riscos, quanto mais não seja do olhar crítico, chocado, divertido ou de desprezo dos outros. Mas, além disso, existe ainda o risco da discriminação ao nível profissional ou social isto apesar de, na maioria dos casos e, pelo menos entre nós, prevalecer a tradicional tolerância que, nunca deixo de reforçar, não é sinónimo de uma verdadeira aceitação, mas antes uma solução de compromisso devida aos laços afectivos que se tem em relação às pessoas em causa.

Outra área muito actual em que se colocam questões a propósito dos direitos sexuais e reprodutivos é a relativa ao corpo e a quem tem a autoridade ou a liberdade para agir sobre ele. Esta questão coloca-se, por exemplo, ao nível do transexualismo. Como é do conhecimento comum, o transexualismo é uma condição em que existe uma não coincidência entre o corpo biológico, muito em concreto entre os caracteres sexuais (primários e secundários), e a identidade sexual, ou seja, a consciência internalizada de que se é homem ou mulher. Assim, um indivíduo que tenha órgãos e características sexuais femininas pode sentir-se, do ponto de vista psicológico, como um homem. O que acontece é que, na maioria das vezes, essa pessoa vai ter o desejo de modificar o seu corpo em função da sua vivência interna do mesmo, ou seja, vai desejar efectuar uma mudança de sexo para se sentir bem consigo próprio. Se alguém decide fazer uma operação plástica para modificar, por exemplo, um nariz que se considera demasiadamente grande, recorre a um cirurgião desta especialidade, paga e fica com o nariz desejado, no caso de uma operação de mudança de sexo, é necessário um sem número de procedimentos, exames, avaliações, peritagens, para que se chegue à conclusão de que esse indivíduo está em condições ou não de fazer essa operação. Só para se ter uma ideia, é um processo que implica pelo menos 2 anos para estar concluído, isto na melhor das hipóteses e apenas se os peritos, os homens da ciência, decidirem que essa pessoa cumpre com os critérios pré-determinados para o efeito.

Podemos ainda dar um outro exemplo, talvez um pouco mais extremo, para esta questão em particular. Refiro-me à Apotemnofilia, condição de quem tem fantasias sexuais sobre ser amputado de um ou vários membros do corpo. Algumas destas pessoas chegam ao ponto de quererem passar as suas fantasias à prática e de optarem por fazer uma operação para que lhes sejam retiradas as pernas ou os braços, porque é assim que se sentem bem consigo próprias. A questão é: deverá ser-lhes concedido este desejo? Sabemos à partida que tal operação é irreversível e que irá implicar uma série de limitações para a vida do indivíduo, por exemplo, dificuldades na obtenção de um emprego, o que fará com que provavelmente tenha que viver da assistência social; terá certamente que ter uma série de cuidados de saúde especiais que serão que serão suportados pelo Estado. Terá essa pessoa direito de optar por si própria o que fazer em relação ao seu corpo? Quem é que é “dono” do seu corpo: o próprio, o Estado, os técnicos de saúde?

O caso da Apotemnofilia pode servir-nos apenas como um exemplo – extremo talvez – da forma como se salvaguardam ou não os direitos sexuais e reprodutivos dos cidadãos e, mais do que isso, de quem os salvaguarda. Se alguns dos direitos mais básicos, como os relativos ao género, são ainda sistematicamente postos em causa, quanto mais os outros que podem ser considerados como “luxos” ou extravaganças e, logo, como secundários, já para não mencionar aqueles que, exercidos por outros, podem ir contra as nossas convicções ideológicas ou religiosas, caso do aborto?

Há que não esquecer que qualquer direito implica também um dever, dever este que implica a salvaguarda da integridade e bem-estar do outro. Direitos sexuais e reprodutivos são também direitos humanos, ainda que não estejamos sensibilizados para pensá-los enquanto tal. Está, porém, na altura de o fazer e tal é tarefa da responsabilidade de todos nós, não só técnicos de saúde, como profissionais das áreas sociais e humanas, politicos, teóricos, investigadores, homens, mulheres, cidadãos.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Andropausa

Durante a andropausa regista-se no homem uma descida nos níveis de testoterona (hormona sexual masculina, segregada pelos testículos), à semelhança do que sucede com a descida dos níveis de estrogénios (hormonas sexuais femininas produzidas nos ovários) da mulher durante a menopausa.

No entanto, se na mulher este ciclo é marcado pelo fim da menstruação, no homem não existe um marco claro que assinale a transição. As mudanças ao nível físico ocorrem gradualmente e podem ser acompanhadas por mudanças na atitude e na disposição, fadiga, bem como perda de energia, de desejo sexual e de agilidade física.

Com a diminuição da testosterona diminuem também as acções que a hormona exerce sobre os tecidos do corpo, em especial nos órgão genitais e a nível cerebral, o que se reflecte a nível psicológico e corporal. A acção da hormona influencia também a densidade capilar, a massa gorda, as células sanguíneas e os ossos.

A investigação tem demonstrado que a diminuição da testosterona está relacionada com problemas como as doenças do coração e a fragilidade dos ossos (a osteoporose, cujo aparecimento também se realaciona com outros factores como a falta de actividade física e o alcoolismo). Estas mudanças ocorrem numa fase da vida em que se questionam as realizações pessoais, familiares, profissionais - e até o "sentido da vida" -, pelo que é difícil avaliar se as mudanças que ocorrem estão relacionadas com a andropausa ou com outas variáveis.

A diminuição da testosterona com a idade é , nos homens, parte do processo de envelhecimento, pelo que existe alguma resistência em identificar a andropausa como um período "real" ou uma condição específica.
A diminuição gradual de hormonas masculinas no homem faz com que alguns especialistas prefiram a utilização da designação hipogonadismo de início tardio, uma das mais usadas, a par com "andropausa".

Regra geral, os sintomas começam a surgir a partir dos quarenta anos, prolongando-se nas décadas seguintes, embora seja difícil de estabelecer uma idade para o seu aparecimento. Refira-se ainda que em cada indivíduo as mudanças podem ser diferentes (muitos homens não admitem sequer que existem mudanças). Além de os sintomas serem vagos e de diferirem de homem para homem, os testes que avaliam a disponibilidade da testosterona são recentes, o que, no passado recente, contribuiu para que este problema fosse pouco diagnosticado e tratado.

O nível de testosterona só é considerado baixo em relação à gama de valores normais em cerca de 13% dos casos. No entanto, análises de sangue mais detalhadas e recentes mostram que a disponibilidade da testosterona decresce em 74% dos casos. A terapia passa por uma reposição dos níveis de testosterona.

A investigação tem vindo a relacionar a deficiência de testosterona com algumas outras doenças, entre as quais a disfunção eréctil, a doença de Alzheimer e a síndroma metabólica (que atinge sobre tudo os homens com mais de quarenta anos e está relacionada com dietas hipercalóricas, obesidade e sedentarismo, caracterizando-se por uma associação de factores de risco para, entre outros, as doenças cardiovasculares ou a diabetes).

Os avanços nos meios de diagnóstico e o aumento da esperança média de vida têm contribuído para uma nova abordagem desta fase tão importante na vida dos homens.

domingo, 9 de outubro de 2011

Os jovens portugueses e a sexualidade. Passado, presente e futuro...?

Mil novecentos e sessenta e dois foi um ano como qualquer outro. A Terra deu 365 voltas sobre o seu eixo. Três biliões, cento e trinta e seis milhões, cento e noventa e sete mil, setecentos e cinquenta e uma almas dormiram, acordaram, trabalharam, estudaram, viveram. Muitas nasceram. Muitas outras terão morrido.

Enquanto na rádio, os Beatles cantam She loves you e I want to hold your hand desenrola-se a crise dos mísseis de Cuba, a Argélia torna-se independente da França após 8 anos de lutas e a Talidomida é retirada do mercado após ter-se descoberto que provocava deformidades no desenvolvimento do feto.

Em Portugal, dá-se uma tentativa de golpe de estado em Beja e, em Lisboa, surge alguma agitação estudantil originada pela proibição das celebrações do Dia do Estudante pelo Governo, o que, por sua vez, leva à demissão de Marcelo Caetano da Reitoria da Universidade Clássica de Lisboa.

É realizado o filme "Verdes Anos" de Paulo Rocha que retrata uma certa juventude lisboeta, desesperada e oprimida. Esta película é, aliás, um dos poucos momentos em que, durante o Estado Novo, o cinema nacional se terá sintonizado com a realidade portuguesa, espelhando-a de uma forma clara e realista. A película conta-nos a história de Júlio, um rapaz de 19 anos recém chegado a Lisboa vindo da província, que começa a trabalhar como aprendiz de sapateiro. Conhece e começa a namorar Ilda, uma empregada interna numa casa particular. O namoro decorre de uma forma lenta e é Ilda quem tem as principais iniciativas de sedução.
Júlio começa aos poucos a rebelar-se com todos os que o rodeiam - com o tio que o ajudou a ir para a cidade, com o patrão e também com a Ilda. Começa a desconfiar da namorada e acaba por mata-la no final do filme, após a recusa por parte desta relativamente ao seu pedido de casamento.

Com as devidas diferenças e distâncias, esta é uma história que poderia perfeitamente ser actual. Os problemas, as paixões, os encantos e desencantos de Júlio e de Ilda são comuns aos de muitos jovens actuais. No entanto, existem algumas dimensões nas quais é possível encontrar diferenças importantes. Uma delas será certamente a da vida íntima destes jovens.

Como é sabido, a postura fortemente conservadora do Estado Novo relativamente às questões da sexualidade e do género tornavam impossível qualquer abordagem mais explícita da sexualidade no cinema e, de resto, em qualquer outro meio de comunicação social ou na vida quotidiana em geral. Nas escolas os esquemas do corpo humano eram apresentados sem os órgãos genitais e existia a política da divisão de sexos, em que rapazes e raparigas eram confinados a espaços de ensino distintos. Desta forma pretendia-se proteger crianças e adolescentes de experimentalismos considerados desnecessários e perigosos quando, na verdade, este cuidado provavelmente teria apenas como efeito de aguçar a curiosidade e o fomentar da falta de informação sobre o sexo oposto e sobre a sexualidade.

Esta divisão territorial dos indivíduos dos dois géneros traduz também, de alguma forma, aquilo que se vivia em termos das mentalidades nacionais durante este período histórico. De facto, na sociedade portuguesa pré-25 de Abril predomina uma divisão marcada entre as esferas do masculino e do feminino, que se traduz no quotidiano e que é consagrada numa legislação fortemente sexista. As mulheres deverão ser donas de casa, cuidar da vida doméstica e educar os filhos. Os homens deverão ser os responsáveis pela vida activa, pela política e pela guerra. O culto da Virgem Maria, celebrada pelo Estado Novo com a construção do santuário de Fátima, fornece às mulheres um ideal feminino de maternidade do qual se encontra ausente a sexualidade (Rodrigues, 1995). Pelo contrário, quanto aos homens, reina uma muito maior permissividade sexual.

Predominava, assim, uma situação em que toda a conjuntura social, política e cultural reforçava e mantinha um duplo padrão de moralidade sexual rígidificado. Às raparigas era esperado que apenas tivessem relações sexuais no contexto do casamento e aos rapazes que tivessem uma larga experiência sexual com diversas parceiras, independentemente do seu estado civil.

A iniciação sexual no masculino era com frequência efectuada através do recurso à prostituição, uma espécie de ritual de iniciação realizada em grupo ou conduzido pela mão do pai ou, no caso do Júlio, o anti-herói de "Os Verdes Anos", pela mão de um inglês que conhece ocasionalmente. No feminino, imperava o desconhecimento sobre a vida sexual, amiúde apenas atenuado nas vésperas nupciais pelos conselhos maternos. A regra era a de servir o marido, querendo isto dizer que a mulher deveria ser tão submissa ao nível sexual quanto o era na vida doméstica e social. O seu prazer era secundário ou mesmo indesejado.

O 25 de Abril de 1974 veio revolucionar também esta forte divisão no que respeita ao género através da abolição progressiva da legislação discriminatória e do maior acesso à informação. No entanto, é difícil determinar qual o real impacto da revolução na vida íntima dos jovens, dada a ausência de estudos sobre esta temática durante o período pós-revolucionário.
Um dos poucos indicadores que temos a este propósito, ainda que a informação que nos possa dar sobre as práticas sexuais efectivas dos jovens não seja muita, é o relativo às taxas de natalidade dos adolescentes durante esta fase. Estes dados foram obtidos a partir das estatísticas gerais da natalidade do anuário de estatística de 1976 que cobre o período compreendido entre 1966 e a data da sua publicação.

Conforme se pode verificar através destes dados, em raparigas com idades iguais ou inferiores aos 18 anos neste período de tempo, o número total de gravidezes e também a taxa percentual de gravidezes nesta altura da vida, quando comparadas com o total das gravidezes, mantém-se constante até cerca de 1973, sendo que, após essa data, os valores começam a subir de uma forma acentuada.

Parece, assim, que a revolução trouxe consigo um aumento considerável de situações de gravidez nesta fase precoce da vida. Não podemos, entretanto, determinar ao certo se estas surgem devido a um real desejo de maternidade, quiçá devido às transformações sociais que ocorrem nesta fase, ou se são, por outro lado, estas alterações e o consequente aumento da permissividade que levam a uma maior passagem ao acto ao nível sexual, sem que se tomem em consideração quaisquer cuidados contraceptivos.

Efectivamente, é só em 1984 que a lei 3/84 vem permitir o estabelecimento de consultas de Planeamento Familiar que proporcionam aos jovens a possibilidade de viverem a sua vida sexual livre de preocupações. Ainda assim, esta medida não parece ser suficiente, uma vez que as taxas de natalidade durante a adolescência irão continuar em alta ao ponto de se encontrarem, já nos anos 80 e 90, de entre as mais elevadas da Europa.

No que respeita às mentalidades, verificam-se algumas alterações, o que é compreensível se tivermos em consideração que entretanto muito mudou, por exemplo, no que respeita à situação das mulheres. Assim, numa investigação levada a cabo em 1983 pelo Instituto de Estudos para o Desenvolvimento (Miguel & Vilar, 1987) sobre os valores e atitudes dos jovens portugueses (15-24 anos), verifica-se que a grande maioria destes (84,4%) consideram que a sexualidade é algo mais do que apenas o acto sexual, ou seja, vêm a sexualidade como uma forma de comunicação ou como uma relação global. Cerca de metade dos então inquiridos valoriza a sexualidade no âmbito do casamento (op.cit, p.85).

Quando questionados sobre a existência de uma prática sexual efectiva, verifica-se que existe uma discrepância significativa entre os resultados relativos ao sexo masculino e ao sexo feminino. Assim, são 70% dos rapazes e apenas 31% das raparigas que admitem já ter tido uma relação sexual. No entanto, estes dados devem ser contextualizados, o que se pode efectuar através da análise a outras questões deste inquérito. Assim, verificamos que são principalmente as raparigas que apresentam sentimentos de culpa mais pronunciados relativamente à actividade sexual, e que são também elas, mais do que os rapazes, que consideram importante manter algum grau de clandestinidade relativamente essa mesma actividade.
Estes dados indicam-nos que as raparigas deste período do início dos anos 80, mesmo que tivessem actividade sexual, mais dificilmente estarão dispostas a admiti-lo. Caso contrário, teremos que presumir um recurso à prostituição ainda intenso por parte dos rapazes para o início da sua actividade sexual, o que, neste período, estaria já em declínio.

Mas todas estas questões não são estanques e têm uma evolução própria. Num outro estudo realizado por Eurico de Figueiredo apenas 3 anos mais tarde do que o anterior, em 1986, verifica-se que, em relação à geração dos seus pais, os jovens apresentam uma muito maior permissividade face às relações sexuais pré-matrimoniais, em particular no caso das raparigas, e uma maior aceitação do trabalho feminino (Figueiredo, 1988). Constata-se, desta forma, uma concepção mais flexível dos papéis de género nos jovens de meados dos anos 80, em favor das mulheres, que vem atenuar o já mencionado duplo padrão de moralidade sexual, concedendo uma maior pemissividade à sexualidade das raparigas.

Este é aliás, um processo que se estende até aos dias de hoje. Desta forma, num estudo realizado ao nível nacional com jovens adultos, as diferenças na ocorrência de actividade sexual de acordo com o género são praticamente inexistentes (Nodin, 2000). Na faixa etária compreendida entre os 18 e os 25 anos verificamos que 80,5% dos rapazes já iniciou a sua vida sexual, enquanto que as raparigas se encontram a uns meros 5 pontos percentuais de diferença, com um total de 75,6% das mesmas a afirmarem já terem experiência sexual.

Diferenças consideráveis encontram-se no tipo de relação que estes jovens afirmam ter com o parceiro. Assim, os elementos do sexo masculino referem ter, em 54% dos casos um parceiro fixo e em 42,7% parceiros ocasionais, enquanto que no sexo feminino estes valores se invertem, de forma que 85,7% das raparigas afirmam ter um parceiro fixo e 6,2% das mesmas reconhecem já ter tido parceiros sexuais ocasionais.

Desta forma, se ao nível do reconhecimento de experiência sexual não encontramos grandes reflexos do duplo padrão de moralidade, tal já não é necessariamente verdade na identificação do tipo de relação que se mantém com um parceiro. A maioria das raparigas considera ter uma relação estável e muito poucas relações ocasionais e os rapazes são de opinião contrária. Provavelmente o que acontece é que a forma de avaliar a relação por ambos é diferente. Algumas das raparigas pensarão ter uma relação estável com os seus parceiros, enquanto que eles não serão da mesma opinião…

Existe aqui um outro dado que nós temos de outros estudos realizados e que convém ter em consideração. Cada vez mais, conforme nos revelam as investigações levadas a cabo nesta área, é atribuída uma especial importância à afectividade no âmbito da sexualidade. Assim, Valentim Alferes verificou que na sua amostra de estudantes universitários, 74,3% dos que não eram virgens declararam ter estado apaixonados pelo seu primeiro parceiro sexual (Alferes, 1997). De resto, em outras investigações efectuadas durante os anos 90, verifica-se algo de semelhante quando se constata que muitos jovens apenas decidem iniciar a sua actividade sexual quando encontram a “pessoa certa” (Pais, 1996).

Estes ideais relativos às relações afectivas não são, aliás, exclusivos das gerações mais novas e encontram-se também em adultos, constituindo-se como um verdadeiro novo padrão de relacionamento ao nível amoroso. Cada vez mais estas relações são consideradas como meios de alcançar a felicidade pessoal e a partilha afectiva com o parceiro. O final do amor é considerado como motivo suficiente e necessário pela maioria das pessoas para terminar a sua relação afectiva.

Por outro lado, ainda num outro estudo coordenado por José Machado Pais (1998), apenas 6% dos jovens considera necessário o casamento para que possa ocorrer um envolvimento sexual. Este dado, contrariamente ao que se crê, não é sinónimo do facto de os jovens terem, na actualidade, uma iniciação sexual mais precoce. Alguns certamente que começarão o seu percurso de descoberta da sexualidade a dois logo no início ou no período médio da adolescência, mas estes não constituem a maioria. As estatísticas oficiais indicam-nos que a idade média para a ocorrência da primeira relação sexual é, nos rapazes, de 17,4 e, nas raparigas, de 19,8 (INE, 1997).
Na verdade, o que nos mostram estes dados do Instituto Nacional de Estatística é que, comparando as idades médias de inicio da actividade sexual de indivíduos de diferentes grupos etários, verifica-se que, de há trinta anos a esta parte não têm existido grandes alterações no que respeita à referida idade, pelo menos nos rapazes.

Nas raparigas, verificou-se um ligeiro decréscimo: as mulheres agora com idades na casa dos 40 iniciaram a sua vida sexual em média quando tinham 21 anos e meio. Ou seja, na prática, as mães das adolescentes de hoje tiveram a sua primeira relação sexual apenas 2 anos mais tarde do que as suas filhas o fizeram ou farão na actualidade. Os rapazes iniciaram em média a sua actividade sexual com a mesma idade com que os seus progenitores masculinos o fizeram.

Assim, e pelo menos em aparência, os comportamentos não se alteraram de uma forma tão significativa quanto à partida poderia parecer. Ou será que estas alterações são também qualitativas e não apenas quantitativas? Alguns indicadores parecem apontar nesse sentido. Verifica-se, por exemplo, que os jovens actuais estão mais dispostos a explorarem diferentes formas de experimentação sexual, que vão bem além do coito vaginal. De facto, tudo indica que práticas outrora minoritárias, como sejam o sexo oral, o sexo anal, as experiências sexuais em grupo, as práticas homossexuais e, em menor escala, as de sadomasoquismo, façam hoje parte do menu ao qual os jovens recorrem na sua vida íntima.
Falamos, mais especificamente nestes casos, de jovens adultos, ou seja, de indivíduos que já estão numa fase do final da adolescência e de entrada na vida adulta, para os quais estas práticas surgem de uma forma complementar às mais convencionais e não como formas exclusivas de comportamento sexual.

Um dos factores que poderá estar na base deste tipo de alterações do conteúdo das relações íntimas dos jovens é o maior acesso a materiais sexuais explícitos. No final da década de 1980, a transmissão do filme "O Império dos Sentidos" foi motivo de grande polémica nacional. Altas autoridades da moral e dos bons costumes deram o seu parecer sobre tal exposição de actos sexuais explícitos. Promoveram-se debates dobre o assunto da sexualidade na televisão e sobre a liberdade de imprensa. No início do novo século (mais precisamente em 2001), o mesmo filme voltou a ser transmitido no 2.º canal da RTP e muito poucas pessoas terão dado conta desse facto, ao contrário desse outro e agitado episódio. Até porque filmes de conteúdos bastante mais explícitos começaram a estar disponíveis noutros canais, de resto sem que qualquer tipo de polémica se lhes tivesse estado associada.

De facto, o fácil acesso que os jovens têm actualmente à pornografia, não só através da televisão por cabo, como também através da Internet, veio dar-lhes, desde idades precoces, uma ideia muito mais clara sobre o que é uma relação sexual entre duas - ou mais - pessoas. Enquanto que há apenas uns anos atrás aquilo que se sabia nesta área decorria da imaginação, das conversas entre amigos e ainda das cenas mais ou menos claras que surgiam na televisão e no cinema, qualquer pessoa tem hoje a possibilidade de enriquecer o seu repertório sexual através do visionamento destes filmes e sites da Internet. Certamente que essa situação leva a uma maior procura de experimentação sexual, por curiosidade e busca de novas sensações.

Esta situação certamente que não é alheia ao facto de, a par da importância atribuída à dimensão afectiva da sexualidade a que já nos referimos, encontrarmos entre os jovens da actualidade a valorização da vertente erótica da experiência sexual (Pais, 1998). A busca do prazer em detrimento de outras dimensões da sexualidade, no que se poderá intitular de hedonismo erótico ou sexual, surge hoje em dia como um valor que pode efectivamente explicar o investimento em actividades sexuais outroura minoritárias. Tudo se faz em prol do prazer, tudo se experimenta, tudo é permitido.

Estes são dados importantes na nossa missão porventura ingrata, mas tentadora, de traçar algumas perspectivas de futuro quanto aos hábitos sexuais dos jovens portugueses. Se a Futurologia não é, de facto, uma ciência de pleno direito temos algumas alternativas, arriscadas, sem dúvida, mas que nospermitem traçar cenários. Tal como postulado por Eurico de Figueiredo (1988), os valores e as atitudes de uma geração enquanto jovem são, de alguma forma, um prenúncio importante sobre o que irão ser as mesmas num futuro mais ou menos próximo.

A globalização, mais do que a massificação do sexo, que se manifesta na grande disponibilidade de informação e de modelos alternativos de comportamento e posturas sexuais, parece já estar a trazer aos jovens um novo alento na exploração de continentes ainda virgens. Tudo indica que o mesmo irá continuar a acontecer, de formas ainda por nós desconhecidas, no futuro. No entanto, se os dados relativos às novas permissividades sexuais parecem indicar que, pelo menos num futuro próximo, os jovens irão procurar explorar o prazer erótico de formas impensáveis pelos seus pais, outros indicadores não nos parecem tão optimistas, nomeadamente no que à saúde sexual destes jovens diz respeito.

Assim, não existem sinais de que as elevadas taxas de infecção por ITS’s (Infecções Transmitidas Sexualmente) e de gravidez na adolescência venham a declinar num futuro próximo. E não o farão enquanto não existir uma política consistente, integrada e abrangente de prevenção ao nível da sexualidade dos jovens.
A Educação Sexual que por fim, após vários anos de espera, inicia a sua introdução nas escolas, fa-lo-á, certamente de uma forma lenta, mercê das resistências ideológicas dos responsáveis escolares, dos docentes e mesmo dos pais. Espera-se, no entanto, que a mais longo prazo possa começar a ter o seu efeito, abrangendo a maioria dos jovens portugueses e possibilitando escolhas responsáveis e posturas esclarecidas.

A população universitária portuguesa é constituída actualmente por cerca de 80% de alunos do sexo feminino. A progressiva integração destas raparigas, futuras mulheres, na vida social e profissional irá ter consequências a diversos níveis. Um dos efeitos prováveis será o esbatimento das barreiras do género, do qual começam já a existir alguns prenúncios. Para já, os homens, começam a estar mais preocupados com o prazer das suas parceiras - descobriu-se, finalmente!, que uma proporção considerável de mulheres não estava satisfeita com a sua vida sexual. No futuro, é possível que os homens, a começar na adolescência, descubram novas angústias relacionadas com o poder que vão ver a escapar-se-lhes das mãos para irem parar a mãos femininas. Porém, é possível que, com o tempo comecem também a assimilar e a tirar partido das vantagens de um mundo não tão rígido em termos dos papeis de género.

O futuro ao futuro pertence, o que é uma forma simpática de dizer que de facto não sabemos se o que aqui conjecturamos se irá concretizar. Podemos apenas traçar cenários e esperar o melhor, não esquecendo, no entanto, que a nós também cabe alguma responsabilidade enquanto adultos e educadores dos jovens de hoje e de amanhã. É a todos nós também que compete intervir, formar, educar, para que os melhores e não os piores cenários se concretizem.


Referências Bibliográficas

Alferes, V. (1997). Encenações e comportamentos sexuais. Para uma psicologia social da sexualidade. Porto: Afrontamento.

Figueiredo, E. (1988). Portugal – Os próximos 20 anos. II Vol. "Conflito de gerações – Conflito de valores". Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Instituto Nacional de Estatística (1976). Anuário de estatística. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística.

Instituto Nacional de Estatística (1997). Inquérito á fecundidade e à família. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística.

Miguel, N., & Vilar, D. (1987). Situação, problemas e perspectivas da juventude em Portugal – Afectividade e sexualidade no novo contexto social e cultural. Cadernos “Juventude. Lisboa: Instituto de Estudos para o Desenvolvimento.

Nodin, N. (2000). Os jovens portugueses e a sexualidade em finais do século XX. Lisboa: Associação para o Planeamento da Família.

Pais, J. M. (1996). Sexualidade. In Jovens de hoje e de aqui (pp.195-221). Cadernos Estudos Locais. Loures: Dept. Sócio-Cultural, C. M. Loures.

Ramos, J. L. (1989). Dicionário do cinema português 1962-1988. Lisboa: Caminho.

Rodrigues, J. A. (1995). Continuidade e mudança nos papéis das mulheres portuguesas urbanas. O aparecimento de novas estruturas familiares. Lisboa: Comissão para a Igualdade e para os Direitos das Mulheres.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares

Objectivo Mínimos da Ed.Sexual (por Ciclo)

1.º ciclo (1.º ao 4.º anos)

- Noção de corpo;

- O corpo em harmonia com a Natureza e o seu ambiente social e cultural;

- Noção de família;

- Diferenças entre rapazes e raparigas;

- Protecção do corpo e noção dos limites, dizendo não às
aproximações abusivas.


2.º ano
- Para além das rubricas incluídas nos programas de meio físico, o professor deve esclarecer os alunos sobre questões e dúvidas que surjam naturalmente, respondendo de forma simples e clara.


3.º e 4.º anos
- Para além das rubricas incluídas nos programas de meio físico, o professor poderá desenvolver temas que levem os alunos a compreender a necessidade de proteger o próprio corpo, de se defender de eventuais aproximações abusivas, aconselhando que, caso se deparem com dúvidas ou problemas de identidade de género, se sintam no direito de pedir ajuda às pessoas em quem confiam na família ou na escola.


2.º ciclo (5.º e 6.º anos)
- Puberdade — aspectos biológicos e emocionais;

- O corpo em transformação;

- Caracteres sexuais secundários;

- Normalidade, importância e frequência das suas variantes
biopsicológicas;

- Diversidade e respeito;

- Sexualidade e género;

- Reprodução humana e crescimento; contracepção e
planeamento familiar;

- Compreensão do ciclo menstrual e ovulatório;

- Prevenção dos maus tratos e das aproximações abusivas;

- Dimensão ética da sexualidade humana.


3.º ciclo (7.º ao 9.º anos)
- Dimensão ética da sexualidade humana:

- Compreensão da sexualidade como uma das componentes
mais sensíveis da pessoa, no contexto de um projecto de vida que integre valores (por exemplo: afectos,ternura, crescimento e maturidade emocional, capacidade de lidar com frustrações, compromissos, abstinência voluntária) e uma dimensão ética;

- Compreensão da fisiologia geral da reprodução humana;

- Compreensão do ciclo menstrual e ovulatório;

- Compreensão do uso e acessibilidade dos métodos contraceptivos e, sumariamente, dos seus mecanismos de acção e tolerância (efeitos secundários);

- Compreensão da epidemiologia das principais IST em Portugal e no mundo (incluindo infecção por VIH/vírus da imunodeficiência humana — HPV2/vírus do papiloma humano — e suas consequências) bem como os métodos de prevenção.

- Saber como se protege o seu próprio corpo, prevenindo a violência e o abuso físico e sexual e comportamentos sexuais de risco, dizendo não a pressões emocionais e sexuais;

- Conhecimento das taxas e tendências de maternidade e da paternidade na adolescência e compreensão do respectivo significado;

- Conhecimento das taxas e tendências das interrupções voluntárias de gravidez, suas sequelas e respectivo significado;

-Compreensão da noção de parentalidade no quadro de uma saúde sexual e reprodutiva saudável e responsável;

- Prevenção dos maus tratos e das aproximações abusivas.

Ensino secundário
- Compreensão ética da sexualidade humana.

- Sem prejuízo dos conteúdos já enunciados no 3.º ciclo,sempre que se entenda necessário, devem retomar -se temas previamente abordados, pois a experiência demonstra
vantagens de se voltar a abordá -los com alunos que, nesta
fase de estudos, poderão eventualmente já ter iniciado a vida sexual activa. A abordagem deve ser acompanhada por uma reflexão sobre atitudes e comportamentos dos
adolescentes na actualidade:

- Compreensão e determinação do ciclo menstrual em geral, com particular atenção à identificação, quando possível, do período ovulatório, em função das características dos ciclos menstruais.

- Informação estatística, por exemplo sobre:
-Idade de início das relações sexuais, em Portugal e na UE;
- Taxas de gravidez e aborto em Portugal;
- Métodos contraceptivos disponíveis e utilizados; segurança
proporcionada por diferentes métodos; motivos que
impedem o uso de métodos adequados;
- Consequências físicas, psicológicas e sociais da maternidade
e da paternidade de gravidez na adolescênciae do aborto;
- Doenças e infecções sexualmente transmissíveis (como
infecção por VIH e HPV) e suas consequências;
- Prevenção de doenças sexualmente transmissíveis;
- Prevenção dos maus tratos e das aproximações abusivas.

Recomendamos ...

Arquivo do blog