quinta-feira, 17 de novembro de 2011

SIDA

SIDA
Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (SIDA), é uma doença provocada por um vírus, chamado VÍRUS da IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA (VIH). Este vírus ataca o sistema imunitário, isto é, o "arsenal de combate" de que o organismo se serve para defender das infecções. Quando o sistema imunitário é atingido perde-se essa capacidade de defesa e aparecem muitas infecções graves ou tumores, muitas vezes mortais. Estas infecções chamam-se oportunistas porque aproveitam o enfraquecimento das defesas do organismo. Decerto, já ouvi dizer que alguém morreu de SIDA. Isto não é inteiramente correcto. O que de facto causa a morte são as infecções oportunistas ou tumores; a SIDA facilita o seu aparecimento.


O que é o vírus VIH?
Os médicos afirmam que a SIDA é causada por um vírus (Vírus da Imunodeficiência Humana - VIH). O VIH é um vírus frágil que não sobrevive fora do organismo, a não ser em condições excepcionais. Mas após entrar no organismo, pode aí permanecer "silencioso" ou "escondido" durante meses ou até anos e, com maior ou menor velocidade, fazer grandes estragos no sistema imunitário.

Por isso, é frequente que pessoas que parecem estar de boa saúde possam, sem o saber, transmitir o vírus a outras. Os médicos ainda não têm certezas sobre a percentagem de pessoas contaminadas com o vírus virão a desenvolver a doença a que chamamos SIDA. Também ainda não se sabe quanto tempo pode passar desde o momento da contaminação até ao aparecimento visível da doença.

Contudo, parece não haver dúvidas de que com o tratamento médico adequado, menos pessoas contaminadas virão a desenvolver SIDA. Actualmente, julga-se que muitas pessoas contaminadas pelo VIH podem viver com a doença durante muitos anos. Cada vez mais a doença provocada pelo VIH é uma doença crónica, que pode ser controlada, tal como a diabetes ou a hipertensão arterial.

O VIH transmite-se através de alguns líquidos orgânicos: o sangue, o esperma, as secreções vaginais, o leite materno. Não há qualquer prova de que o vírus seja transmitido pela saliva, lágrimas, suor. O VIH entra no organismo através das membranas mucosas (as paredes do recto, as paredes da vagina ou interior da boca ou da garganta, por exemplo) ou por contacto directo com o sangue. O vírus não atravessa a pele intacta; só o faz se houver uma ferida ou corte que facilite a sua entrada (através do contacto com fluídos de uma pessoa infectada).

O vírus não se transmite pelo ar, através dos espirros ou da tosse. Por isso, não há perigo nenhum no contacto social quotidiano com pessoas infectadas pelo VIH. "Seropositivo" para o VIH não é a mesma coisa que SIDA, as pessoas com VIH não têm, automaticamente, SIDA.


VIH e sistema imunitário humano
O sistema imunitário humano tem como função reconhecer agentes agressores e defender o organismo da sua acção. Os órgãos e células que o constituem asseguram essa protecção.
Entre as células do sistema imunitário, destacam-se os glóbulos brancos (também designados linfócitos), que podem ser de tipos T e de tipo B.

Os linfócitos B fabricam substâncias – anticorpos - para combater os elementos invasores. Existe mais de um género de linfócitos T; vamos referir os T4 (também conhecidos como células CD4), o elemento vigilante que alerta o sistema imunitário para a necessidade de lutar contra um "invasor"; e os T8, aqueles que destroem as células que estiverem infectadas pelo "invasor".
Fazem também parte do sistema imunitário os macrófagos, as células que digerem as células mortas e os "invasores".

Os glóbulos brancos são produzidos na medula óssea, um dos órgãos primários do sistema imunitário, juntamente com o timo (que, como sabes, é uma glândula localizada na base do pescoço, atrás do esterno). Os órgãos secundários são o baço, as amígdalas e os adenóides e o sistema linfático.

A entrada do VIH no corpo e a sua multiplicação acelerada provocam uma diminuição do número de linfócitos do tipo CD4, que são, precisamente, os que dão ordens aos outros elementos do sistema imunitário para agir. Com o sistema imunitário enfraquecido, o seropositivo fica mais vulnerável aos microorganismos causadores de infecções oportunistas, que, geralmente, não conseguem atingir pessoas com um sistema de defesa "normal" (que não está a ser atacado).


Os sintomas
Não existe um sintoma ou um conjunto de sintomas que possa levar qualquer profissional de saúde a fazer um diagnóstico eficaz e imediato da SIDA em quem quer que seja. Os sintomas que surgem associados à SIDA são os sintomas das infecções oportunistas cuja penetração no corpo o vírus VHI facilita, ao destruir progressivamente o sistema imunitário. E uma vez que os sintomas se podem reforçar mutuamente, mascarar ou misturar, o leque de sintomas pode ser vastíssimo, embora existam alguns mais comuns (porque são também mais comuns as infecções oportunistas que os provocam).

Assim, algumas pessoas contaminadas apresentam sintomas semelhantes aos de uma gripe como febre, suores, dores de cabeça, de estômago, nos músculos e nas articulações, fadiga, dificuldades em engolir, glândulas linfáticas inchadas e uma leve comichão. Segundo algumas fontes ligadas à indústria farmacêutica, calcula-se que cerca de 50 por cento dos infectados apresentem estes sintomas.

Algumas pessoas também perdem peso e outras, ocasionalmente, podem perder a mobilidade dos braços e pernas, mas recuperam-na passado pouco tempo. A fase aguda da infecção com VIH dura entre uma a três semanas. Todos recuperam desta fase, em resposta da reacção do sistema imunitário, os sintomas desaparecem e observa-se uma redução do número de vírus presentes no organismo.

Os seropositivos vivem um período em que não apresentam sintomas, embora o vírus esteja a multiplicar-se no seu organismo o que pode prolongar-se por diversos anos. É neste período que se encontram, actualmente, 70 a 80 por cento dos infectados em todo o mundo.


Prevenção
Sucintamente, eis algumas medidas que previnem a transmissão da SIDA: usar sempre preservativo nas relações sexuais, não partilhar seringas e outros objectos cortantes (agulhas de acupunctura, instrumentos para fazer tatuagens e piercings, de cabeleireiro, manicura).

Além dos preservativos comuns, vendidos em farmácias e supermercados, existem outros, menos vulgares, que podem ser utilizados como protecção durante as mais diversas práticas sexuais (nomeadamente sexo oral). É também preciso dar atenção à utilização de objectos; se estes estiveram em contacto com sémen, fluidos vaginais e sangue infectados, podem transmitir o vírus.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares

Objectivo Mínimos da Ed.Sexual (por Ciclo)

1.º ciclo (1.º ao 4.º anos)

- Noção de corpo;

- O corpo em harmonia com a Natureza e o seu ambiente social e cultural;

- Noção de família;

- Diferenças entre rapazes e raparigas;

- Protecção do corpo e noção dos limites, dizendo não às
aproximações abusivas.


2.º ano
- Para além das rubricas incluídas nos programas de meio físico, o professor deve esclarecer os alunos sobre questões e dúvidas que surjam naturalmente, respondendo de forma simples e clara.


3.º e 4.º anos
- Para além das rubricas incluídas nos programas de meio físico, o professor poderá desenvolver temas que levem os alunos a compreender a necessidade de proteger o próprio corpo, de se defender de eventuais aproximações abusivas, aconselhando que, caso se deparem com dúvidas ou problemas de identidade de género, se sintam no direito de pedir ajuda às pessoas em quem confiam na família ou na escola.


2.º ciclo (5.º e 6.º anos)
- Puberdade — aspectos biológicos e emocionais;

- O corpo em transformação;

- Caracteres sexuais secundários;

- Normalidade, importância e frequência das suas variantes
biopsicológicas;

- Diversidade e respeito;

- Sexualidade e género;

- Reprodução humana e crescimento; contracepção e
planeamento familiar;

- Compreensão do ciclo menstrual e ovulatório;

- Prevenção dos maus tratos e das aproximações abusivas;

- Dimensão ética da sexualidade humana.


3.º ciclo (7.º ao 9.º anos)
- Dimensão ética da sexualidade humana:

- Compreensão da sexualidade como uma das componentes
mais sensíveis da pessoa, no contexto de um projecto de vida que integre valores (por exemplo: afectos,ternura, crescimento e maturidade emocional, capacidade de lidar com frustrações, compromissos, abstinência voluntária) e uma dimensão ética;

- Compreensão da fisiologia geral da reprodução humana;

- Compreensão do ciclo menstrual e ovulatório;

- Compreensão do uso e acessibilidade dos métodos contraceptivos e, sumariamente, dos seus mecanismos de acção e tolerância (efeitos secundários);

- Compreensão da epidemiologia das principais IST em Portugal e no mundo (incluindo infecção por VIH/vírus da imunodeficiência humana — HPV2/vírus do papiloma humano — e suas consequências) bem como os métodos de prevenção.

- Saber como se protege o seu próprio corpo, prevenindo a violência e o abuso físico e sexual e comportamentos sexuais de risco, dizendo não a pressões emocionais e sexuais;

- Conhecimento das taxas e tendências de maternidade e da paternidade na adolescência e compreensão do respectivo significado;

- Conhecimento das taxas e tendências das interrupções voluntárias de gravidez, suas sequelas e respectivo significado;

-Compreensão da noção de parentalidade no quadro de uma saúde sexual e reprodutiva saudável e responsável;

- Prevenção dos maus tratos e das aproximações abusivas.

Ensino secundário
- Compreensão ética da sexualidade humana.

- Sem prejuízo dos conteúdos já enunciados no 3.º ciclo,sempre que se entenda necessário, devem retomar -se temas previamente abordados, pois a experiência demonstra
vantagens de se voltar a abordá -los com alunos que, nesta
fase de estudos, poderão eventualmente já ter iniciado a vida sexual activa. A abordagem deve ser acompanhada por uma reflexão sobre atitudes e comportamentos dos
adolescentes na actualidade:

- Compreensão e determinação do ciclo menstrual em geral, com particular atenção à identificação, quando possível, do período ovulatório, em função das características dos ciclos menstruais.

- Informação estatística, por exemplo sobre:
-Idade de início das relações sexuais, em Portugal e na UE;
- Taxas de gravidez e aborto em Portugal;
- Métodos contraceptivos disponíveis e utilizados; segurança
proporcionada por diferentes métodos; motivos que
impedem o uso de métodos adequados;
- Consequências físicas, psicológicas e sociais da maternidade
e da paternidade de gravidez na adolescênciae do aborto;
- Doenças e infecções sexualmente transmissíveis (como
infecção por VIH e HPV) e suas consequências;
- Prevenção de doenças sexualmente transmissíveis;
- Prevenção dos maus tratos e das aproximações abusivas.

Recomendamos ...

Arquivo do blog