segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Prepúcio - o que é que acontece durante o acto sexual

PERGUNTA:
Estou perto de completar 16 anos e namoro há um ano e tal com uma rapariga com 17 anos. Temos equacionado a hipótese de virmos a ter a nossa 1.ª relação e sec alhar ainda não aconteceu por falta de um local propício e minimamente seguro em relação a "visitas inesperadas".
É algo que já podia ter acontecido há bastante tempo e apesar de ter muita vontade e de gostar imenso dela, não é algo que me preocupe pois um dia vai ser o primeiro e aposto que vai ser muito bom. A minha duvida prende-se com o seguinte: Eu não sou circuncisado, ou seja, a dita "pele do pénis" não vai completamente para trás, vai, talvez, até meio. A questão prende-se com o facto de tal coisa causar dor no momento do acto sexual. Já pensei em ir ao médico e tratar disso - acho que não é nada de mais - mas acabo sempre por não dar importância.
Após algumas relações essa pele rompe sem dor e facilita a relação ou será mesmo aconselhável ir a um médico para fazer a pequena cirugia? Agradecia que me esclarecessem sobre o assunto!

RESPOSTA:
Pelo que escreves lemos que és uma pessoa sensata e informada, excepto numa coisa: a pele do prepúcio deixa apenas e só a glande (a "cabeça" do pénis) a descoberto. Não vem "mais para trás", não vai "completamente para trás", como dizes.
Esse movimento em que a cabeça do pénis fica a descoberto é certamente "treinado" pelos rapazes, nem que seja só por questões de higiene do pénis...

Fica descansado que, quando iniciares a tua vida sexual vais verificar que a pele é puxada para trás "automaticamente" ao iniciar-se a penetração, mesmo que às vezes tenhas de dar uma ajudinha com a mão... Quanto à dor... pensamos que não terás.
Se usares preservativo (bom senso básico) terás de colocá-lo com o pénis em erecção antes da penetração e aí a pele também "vem para trás".

E que os dois tenham uma boa primeira vez, sem ansiedades, sem medos e protegidos de consequências indesejadas!

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares

Objectivo Mínimos da Ed.Sexual (por Ciclo)

1.º ciclo (1.º ao 4.º anos)

- Noção de corpo;

- O corpo em harmonia com a Natureza e o seu ambiente social e cultural;

- Noção de família;

- Diferenças entre rapazes e raparigas;

- Protecção do corpo e noção dos limites, dizendo não às
aproximações abusivas.


2.º ano
- Para além das rubricas incluídas nos programas de meio físico, o professor deve esclarecer os alunos sobre questões e dúvidas que surjam naturalmente, respondendo de forma simples e clara.


3.º e 4.º anos
- Para além das rubricas incluídas nos programas de meio físico, o professor poderá desenvolver temas que levem os alunos a compreender a necessidade de proteger o próprio corpo, de se defender de eventuais aproximações abusivas, aconselhando que, caso se deparem com dúvidas ou problemas de identidade de género, se sintam no direito de pedir ajuda às pessoas em quem confiam na família ou na escola.


2.º ciclo (5.º e 6.º anos)
- Puberdade — aspectos biológicos e emocionais;

- O corpo em transformação;

- Caracteres sexuais secundários;

- Normalidade, importância e frequência das suas variantes
biopsicológicas;

- Diversidade e respeito;

- Sexualidade e género;

- Reprodução humana e crescimento; contracepção e
planeamento familiar;

- Compreensão do ciclo menstrual e ovulatório;

- Prevenção dos maus tratos e das aproximações abusivas;

- Dimensão ética da sexualidade humana.


3.º ciclo (7.º ao 9.º anos)
- Dimensão ética da sexualidade humana:

- Compreensão da sexualidade como uma das componentes
mais sensíveis da pessoa, no contexto de um projecto de vida que integre valores (por exemplo: afectos,ternura, crescimento e maturidade emocional, capacidade de lidar com frustrações, compromissos, abstinência voluntária) e uma dimensão ética;

- Compreensão da fisiologia geral da reprodução humana;

- Compreensão do ciclo menstrual e ovulatório;

- Compreensão do uso e acessibilidade dos métodos contraceptivos e, sumariamente, dos seus mecanismos de acção e tolerância (efeitos secundários);

- Compreensão da epidemiologia das principais IST em Portugal e no mundo (incluindo infecção por VIH/vírus da imunodeficiência humana — HPV2/vírus do papiloma humano — e suas consequências) bem como os métodos de prevenção.

- Saber como se protege o seu próprio corpo, prevenindo a violência e o abuso físico e sexual e comportamentos sexuais de risco, dizendo não a pressões emocionais e sexuais;

- Conhecimento das taxas e tendências de maternidade e da paternidade na adolescência e compreensão do respectivo significado;

- Conhecimento das taxas e tendências das interrupções voluntárias de gravidez, suas sequelas e respectivo significado;

-Compreensão da noção de parentalidade no quadro de uma saúde sexual e reprodutiva saudável e responsável;

- Prevenção dos maus tratos e das aproximações abusivas.

Ensino secundário
- Compreensão ética da sexualidade humana.

- Sem prejuízo dos conteúdos já enunciados no 3.º ciclo,sempre que se entenda necessário, devem retomar -se temas previamente abordados, pois a experiência demonstra
vantagens de se voltar a abordá -los com alunos que, nesta
fase de estudos, poderão eventualmente já ter iniciado a vida sexual activa. A abordagem deve ser acompanhada por uma reflexão sobre atitudes e comportamentos dos
adolescentes na actualidade:

- Compreensão e determinação do ciclo menstrual em geral, com particular atenção à identificação, quando possível, do período ovulatório, em função das características dos ciclos menstruais.

- Informação estatística, por exemplo sobre:
-Idade de início das relações sexuais, em Portugal e na UE;
- Taxas de gravidez e aborto em Portugal;
- Métodos contraceptivos disponíveis e utilizados; segurança
proporcionada por diferentes métodos; motivos que
impedem o uso de métodos adequados;
- Consequências físicas, psicológicas e sociais da maternidade
e da paternidade de gravidez na adolescênciae do aborto;
- Doenças e infecções sexualmente transmissíveis (como
infecção por VIH e HPV) e suas consequências;
- Prevenção de doenças sexualmente transmissíveis;
- Prevenção dos maus tratos e das aproximações abusivas.

Recomendamos ...

Arquivo do blog