segunda-feira, 21 de maio de 2012

SIDA: Uma mulher seropositiva não pode engravidar

Errado.
Para muitas pessoas, não directamente afectadas pelo VIH, os termos "infecção com o VIH" e "SIDA" encontram-se directamente relacionadas com uma doença grave, a invalidez e a morte. Nem conseguem acreditar que os seropositivos pensem sequer em ter filhos. Contudo, graças aos medicamentos actuais, a infecção tornou-se uma doença crónica, algo com que os seropositivos têm de viver. Tecnicamente, uma mulher seropositiva pode ter uma criança sem que esta nasça contaminada pelo vírus VIH.
Sem qualquer tratamento médico, o risco de infecção é muito elevado (até 40%). Mas, com um tratamento adequado, este risco pode ser reduzido para menos de 2%.

Geralmente, a mãe infectada com o VIH é tratada com medicação antiretroviral, pelo menos durante os últimos três meses de gravidez. Se esta não tiver recebido terapia contra o VIH e se o seu estado de saúde o permitir, muitos médicos esperam até à 32.ª semana para iniciar a terapia. Se já está a tomar medicamentos antiretrovirais e se se encontrar em boas condições de saúde, os médicos podem considerar uma pausa na terapia durante os primeiros três meses de gravidez (até à conclusão da formação dos órgãos do feto).

Durante o parto, na maioria dos casos, a mãe recebe AZT por via intravenosa. Uma cesariana planeada antes de rebentarem as águas pode evitar que a criança seja exposta ao sangue e às secreções maternas reduzindo significativamente o risco de transmissão durante o parto.

O recém-nascido é normalmente tratado com AZT imediatamente após o nascimento e durante as primeiras quatro a seis semanas de vida. Uma vez que o vírus pode ser transmitido através do leite da mãe, os médicos não recomendam a amamentação do bebé.

Note-se que a terapia actual de combinação antiretroviral é muito dispendiosa. Não são apenas os medicamentos, mas também os testes periódicos necessários, como a determinação da carga viral e a contagem das células T no sangue do paciente.

Se o pai for seropositivo, a situação é mais simples, pois o esperma pode ser "lavado", o que significa que as células vivas do esperma podem ser separadas dos vírus. O esperma sem vírus é usado para uma inseminação artificial ou para uma fertilização in vitro.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares

Objectivo Mínimos da Ed.Sexual (por Ciclo)

1.º ciclo (1.º ao 4.º anos)

- Noção de corpo;

- O corpo em harmonia com a Natureza e o seu ambiente social e cultural;

- Noção de família;

- Diferenças entre rapazes e raparigas;

- Protecção do corpo e noção dos limites, dizendo não às
aproximações abusivas.


2.º ano
- Para além das rubricas incluídas nos programas de meio físico, o professor deve esclarecer os alunos sobre questões e dúvidas que surjam naturalmente, respondendo de forma simples e clara.


3.º e 4.º anos
- Para além das rubricas incluídas nos programas de meio físico, o professor poderá desenvolver temas que levem os alunos a compreender a necessidade de proteger o próprio corpo, de se defender de eventuais aproximações abusivas, aconselhando que, caso se deparem com dúvidas ou problemas de identidade de género, se sintam no direito de pedir ajuda às pessoas em quem confiam na família ou na escola.


2.º ciclo (5.º e 6.º anos)
- Puberdade — aspectos biológicos e emocionais;

- O corpo em transformação;

- Caracteres sexuais secundários;

- Normalidade, importância e frequência das suas variantes
biopsicológicas;

- Diversidade e respeito;

- Sexualidade e género;

- Reprodução humana e crescimento; contracepção e
planeamento familiar;

- Compreensão do ciclo menstrual e ovulatório;

- Prevenção dos maus tratos e das aproximações abusivas;

- Dimensão ética da sexualidade humana.


3.º ciclo (7.º ao 9.º anos)
- Dimensão ética da sexualidade humana:

- Compreensão da sexualidade como uma das componentes
mais sensíveis da pessoa, no contexto de um projecto de vida que integre valores (por exemplo: afectos,ternura, crescimento e maturidade emocional, capacidade de lidar com frustrações, compromissos, abstinência voluntária) e uma dimensão ética;

- Compreensão da fisiologia geral da reprodução humana;

- Compreensão do ciclo menstrual e ovulatório;

- Compreensão do uso e acessibilidade dos métodos contraceptivos e, sumariamente, dos seus mecanismos de acção e tolerância (efeitos secundários);

- Compreensão da epidemiologia das principais IST em Portugal e no mundo (incluindo infecção por VIH/vírus da imunodeficiência humana — HPV2/vírus do papiloma humano — e suas consequências) bem como os métodos de prevenção.

- Saber como se protege o seu próprio corpo, prevenindo a violência e o abuso físico e sexual e comportamentos sexuais de risco, dizendo não a pressões emocionais e sexuais;

- Conhecimento das taxas e tendências de maternidade e da paternidade na adolescência e compreensão do respectivo significado;

- Conhecimento das taxas e tendências das interrupções voluntárias de gravidez, suas sequelas e respectivo significado;

-Compreensão da noção de parentalidade no quadro de uma saúde sexual e reprodutiva saudável e responsável;

- Prevenção dos maus tratos e das aproximações abusivas.

Ensino secundário
- Compreensão ética da sexualidade humana.

- Sem prejuízo dos conteúdos já enunciados no 3.º ciclo,sempre que se entenda necessário, devem retomar -se temas previamente abordados, pois a experiência demonstra
vantagens de se voltar a abordá -los com alunos que, nesta
fase de estudos, poderão eventualmente já ter iniciado a vida sexual activa. A abordagem deve ser acompanhada por uma reflexão sobre atitudes e comportamentos dos
adolescentes na actualidade:

- Compreensão e determinação do ciclo menstrual em geral, com particular atenção à identificação, quando possível, do período ovulatório, em função das características dos ciclos menstruais.

- Informação estatística, por exemplo sobre:
-Idade de início das relações sexuais, em Portugal e na UE;
- Taxas de gravidez e aborto em Portugal;
- Métodos contraceptivos disponíveis e utilizados; segurança
proporcionada por diferentes métodos; motivos que
impedem o uso de métodos adequados;
- Consequências físicas, psicológicas e sociais da maternidade
e da paternidade de gravidez na adolescênciae do aborto;
- Doenças e infecções sexualmente transmissíveis (como
infecção por VIH e HPV) e suas consequências;
- Prevenção de doenças sexualmente transmissíveis;
- Prevenção dos maus tratos e das aproximações abusivas.

Recomendamos ...

Arquivo do blog