terça-feira, 31 de julho de 2012

Declaração de amor

Mensagem 
Gosto de uma rapariga e já notei algum interesse dela por mim. Não sei como me declarar . 

Resposta 
Para que ela se possa interessar por ti, ela tem de reparar em ti, ver que tu existes (e não é fazendo o pino à frente dela... mas nunca se sabe). Dá-lhe os bons dias, pergunta-lhe as horas ou outra coisa qualquer. Pede-lhe uma informação, etc. Usa a imaginação! A resposta à tua pergunta tem muito a ver com a idade dela. Observa as raparigas à tua volta, em especial a que te interessa: vê o que elas fazem, que música ouvem, que filmes vêem, onde gostam de ir, de quem falam e de que falam... De resto, as raparigas de qualquer idade gostam de rapazes meiguinhos, nada brutos, que as respeitem, que tenham humor, que lhes liguem e que sejam maduros (nada de coisas de "putos"), percebes? Truques? Fala com ela (as raparigas adoram falar de tudo e de nada - e às vezes são bem chatas) e ouve-a. Pronto! Em qualquer caso, é difícil fazer com que uma rapariga goste de nós sem um amor sincero e uma valente aposta na sedução. Por outro lado, não se pode forçar o amor... Depois de ela reparar em ti e falarem os dois, arranja modo de prolongar o contacto / a conversa (ou mais conversas). Descobre algo de interesse comum (não é fácil) ou convida-a para algo de simples, ou... Agora é contigo.

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Espermatozóides e Óvulos

Os óvulos e os espermatozóides são gâmetas ou células sexuais que têm uma função reprodutora isto é, a função de garantir a continuidade da espécie humana. 



O espermatozóide é um gâmeta ou célula sexual masculina que é constituída pela cabeça; segmento intermediário; e cauda. São produzidos nos testículos e têm como função a fecundação do óvulo para originar um embrião. É a hipófise que através das suas hormonas - LH ou luteoestimulina e FSH ou foliculoestimulina -, controla o funcionamento dos testículos. No homem, a hormona LH actua nas células de Leydig, nos testículos, estimulando-os a produzirem testosterona, a FSH actua sobre os tubos seminíferos, também nos testículos, controlando a produção dos espermatozóides continuamente até ao fim da vida. 


A emissão de gâmetas não obedece a nenhuma periodicidade podendo ocorrer até mais do que uma vez por dia. O óvulo é um gâmeta ou célula sexual feminina que é formado por um núcleo, citoplasma e células foliculares. São formados nos ovários e têm a função de serem fecundados pelos espermatozóides para dar origem a um embrião. 



 Quando nascem, as mulheres já têm nos seus ovários, no interior dos folículos primordiais, todas as células reprodutoras que disporão ao longo da sua vida fértil, que termina por volta dos cinquenta anos. A partir da puberdade, mensalmente, um folículo evolui até á fase de folículo maduro, acabando por libertar o gâmeta feminino. Estas transformações cíclicas no ovário são acompanhdas por variações na produção das hormonas sexuais - estrogénios e progesterona. É a hipófise que através das suas hormonas - LH ou luteoestimulina e FSH ou foliculoestimulina-, controla o funcionamento dos ovários. As três fases do ciclo dos ovários são determinadas por três fases distintas da concentração das hormonas LH e FSH no sangue. Portanto, nas mulheres durante um período de 28 dias, sensivelmente, repetem-se no seu sistema reprodutor os mesmos acontecimentos, o que se designa por Ciclo Sexual Feminino.

sábado, 21 de julho de 2012

Corrimento vaginal

Mensagem: 
Olá. Da minha vagina, nestas últimas semanas, está a sair um líquido esbranquiçado muito estranho. Eu gostaria de saber se vocês me poderiam ajudar com esse problema, por favor. 

Resposta: 
Não sabemos a tua idade, mas se ainda não tiveres o período, é normal que, no período que antecede a primeira menstruação apareça corrimento. Se já o tiveres, pode ter a ver com os fluidos naturais do corpo. Em qualquer caso, se esse corrimento cheira mal ou se tens comichão, vai ao médico.

domingo, 15 de julho de 2012

Anatomia dos Sistemas Reprodutores Masculinos e Femininos

A reprodução só é possível quando os orgãos genitais internos atingem a maturidade ou seja, quando se desenvolvem os caracteres sexuais primários. A maturidade só se revela através da produção de gâmetas (células sexuais) nas gónadas ou orgãos sexuais: os testículos e os ovários. Apesar de ser nas gónadas que são formados os gâmetas, é de salientar também a importância dos outros orgãos do sistema genital. São eles que condicionam o transporte das células sexuais e a manutenção de condições para a sua sobrevivência, permitindo o encontro dos gâmetas e a fecundação. Observa atentamente o Sistema Reprodutor Feminino (fig. 1) e o Sistema Reprodutor Masculino (fig. 2) nas figuras que se seguem.








SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO

GÓNADAS


OVÁRIOS
São dois órgãos em forma de amêndoa localizados na cavidade abdominal. Neles originam-se os óvulos – gâmetas -, células reprodutoras femininas. São também órgãos glandulares produtores de hormonas.


TESTÍCULOS
São dois órgãos ovóides no exterior da cavidade abdominal, numa bolsa designada por escroto ou bolsa escrotal. Produzem os espermatozóides - gâmetas masculinos- e hormonas.





TROMPAS DE FALÓPIO
São duas, podendo-se designar por ovidutos. Iniciam-se por uma zona em forma de funil franjado, o pavilhão da trompa, abrindo no fundo do útero. São canais que estabelecem a comunicação ovário - útero.


EPIDÍDIMOS
São duas estruturas que recobrem parcialmente os testículos, que têm a função de armazenar e amadurecer os espermatozóides.


VIAS GENITAIS


ÚTERO
Órgão muscular em forma de pêra, cuja parede se prepara todos os meses para receber o ovo, ocorrendo uma gravidez. A zona inferior designa-se por colo uterino e corresponde ao local onde o esperma é depositado pelo pénis.

CANAIS DEFERENTES
São dois canais com cerca de 40cm de comprimento, continuando os epidídimos. Cada um deles penetra no abdómen, atravessa a próstata e abre, finalmente, na uretra. Conduzem os espermatozóides.




VAGINA
Canal flexível que se insere no colo uterino e abre para o exterior, a nível da vulva, que tem a função de estabelecer a relação sexual.

URETRA
Canal que se inicia na bexiga e percorre o pénis, abrindo na extremidade deste. Permite a condução da urina e do esperma para o exterior.



VESÍCULAS SEMINAIS
Duas glândulas que segregam um líquido constituinte de cerca de 60% do esperma.

GLÂNDULAS ANEXAS



PRÓSTATA
Glândula cujos canais excretores abrem na uretra. Elabora o líquido esbranquiçado e açucarado constituinte do esperma e que é expulso na ejaculação.




GLÂNDULAS DE COWPER
Duas glândulas do tamanho de ervilhas que comunicam com a uretra. Têm a função de lançar um líquido, antes da cada ejaculação, que vai eliminando os vestígios de urina ao longo da uretra.

ORGÃOS

LÁBIOS
São pregas cutâneas. Os extremos são os grandes lábios e os mais internos os pequenos lábios.

PÉNIS
Órgão externo atravessado pela uretra por onde é expelido o esperma e a urina. O pénis é o orgão que estabelece a relação sexual.
GENITAIS
CLÍTORIS
Pequeno orgão de grande sensibilidade.
EXTERNOS
ORIFÍCIO GENITAL
Orifício que corresponde à abertura da vagina.
ESCROTO
Bolsa onde estão contidos os testículos.

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Contracepção de emergência

Mensagem 
Reparei que não mencionam a pílula do dia seguinte e gostava que me dessem mais informação sobre isso. Ouvi falar, mas nada de muito concreto, por isso não sei se é veradade, sobre uma injecção que se dá as mulheres, é contraceptiva e não é muito frequente; podiam também dar-me alguma informação? 

Resposta 
A pílula do dia seguinte (ou, mais correctamente: "contraceptivo de emergência") deve apenas ser tomada nesse caso: uma emergência! Por a sua carga hormonal ser tão grande, pode causar transtornos à mulher. Como é um medicamento muito forte, não se deve fazer de tomá-la algo banal como tomar uma aspirina. É vulgarmente conhecida como "pílula do dia seguinte" pois deve ser tomada no máximo 72 horas depois da relação sexual ocorrer, de preferência começando logo no dia seguinte, pois o seu mecanismo de acção é impedir que o óvulo se aloje no útero. Quanto à injecção contraceptiva: sim, existe. Esta é dada (normalmente) nos Centros de Saúde e reserva-se, regra geral, às mulheres que são incapazes de seguir regularmente a toma da pílula. Existe, desde há muito pouco tempo, a alternativa do adesivo (Ver: Informação fundamental, nesta secção) que impede a gravidez, cuja entrada no mercado está prevista para Janeiro de 2004, mediante receita médica. O melhor é aproveitares uma consulta de ginecologia e colocares essas dúvidas todas ao médico. É também para isso que ele(a) lá está... Tudo de bom!

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Contraceptivos: a pílula aumenta o risco de acidentes vasculares.

Errado.

Esta ideia de que existiria uma relação entre a pílula e uma maior incidência de acidentes vasculares entre as mulheres vigorou nos anos 60 e 70 do século passado. Segundo os estudos então efectuados, os riscos eram muito altos para mulheres que tomassem a pílula e que fumassem e aumentavam com a idade.

Estudos mais recentes não encontraram factores que elevem o risco de doenças em mulheres que utilizem a pílula. No entanto, entre as fumadoras, há um risco adicional de ocorrência de acidentes vasculares para as que utilizem este método contraceptivo.

domingo, 1 de julho de 2012

Atracção pelo mesmo sexo

Mensagem: 
Eu li em uma pergunta sobre homossexualismo que a pessoa descobre que é homossexual quando sente atracção por pessoas do mesmo sexo. Minha dúvida - aliás, eu sofro por causa disso - é que eu sinto atracção por homens. Só que a minha atracção não é aquela de "Ah... como eu gostaria de transar com ele." Não! Eu apenas acho que o corpo de um homem é bonito, gosto de ver corpos de homens bem tratados mas é apenas isso!!! Não vou negar que eu fique excitado em ver um homem pelado, porque seria mentira. E até às vezes eu penso em homens na hora da masturbação. Mas, de verdade, eu não vejo a hipóstese de transar com outro homem, beijar outro homem - eu acho um nojo! Ficar pegando em outros homens eu não faço! Aliás, eu adoro ficar com meninas. Eu adoro mulheres! Só que fico com essa dúvida se sou gay! Porque às vezes eu ando na rua e passa um homem bonito ou na praia olho para a sunga dele. Mas é só isso! Mesmo! Nada mais! Eu sou gay. E se for pode ter a certeza de que nunca irei ter relações. 

Resposta: Na verdade, o que nos contas dá a entender que apenas aprecias os homens como exemplares físicos, privilegiando o cuidado e beleza. Isso não é homossexualidade. As mulheres têm muito menos problemas em apreciar ambos os sexos e até apreciam muito as outras mulheres fazendo delas termos de comparação. Os homens é que receiam assumir que se comparam também aos seus pares noutros aspectos que não apenas o tamanho do pénis... Podem admirar um homem bonito, cuidado, charmoso do mesmo modo que uma mulher o faria. A homossexualidade passa pela atracção física, sexual, de relação. No caso que contas parece-nos que é simplesmente apreciar o que é bonito.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares

Objectivo Mínimos da Ed.Sexual (por Ciclo)

1.º ciclo (1.º ao 4.º anos)

- Noção de corpo;

- O corpo em harmonia com a Natureza e o seu ambiente social e cultural;

- Noção de família;

- Diferenças entre rapazes e raparigas;

- Protecção do corpo e noção dos limites, dizendo não às
aproximações abusivas.


2.º ano
- Para além das rubricas incluídas nos programas de meio físico, o professor deve esclarecer os alunos sobre questões e dúvidas que surjam naturalmente, respondendo de forma simples e clara.


3.º e 4.º anos
- Para além das rubricas incluídas nos programas de meio físico, o professor poderá desenvolver temas que levem os alunos a compreender a necessidade de proteger o próprio corpo, de se defender de eventuais aproximações abusivas, aconselhando que, caso se deparem com dúvidas ou problemas de identidade de género, se sintam no direito de pedir ajuda às pessoas em quem confiam na família ou na escola.


2.º ciclo (5.º e 6.º anos)
- Puberdade — aspectos biológicos e emocionais;

- O corpo em transformação;

- Caracteres sexuais secundários;

- Normalidade, importância e frequência das suas variantes
biopsicológicas;

- Diversidade e respeito;

- Sexualidade e género;

- Reprodução humana e crescimento; contracepção e
planeamento familiar;

- Compreensão do ciclo menstrual e ovulatório;

- Prevenção dos maus tratos e das aproximações abusivas;

- Dimensão ética da sexualidade humana.


3.º ciclo (7.º ao 9.º anos)
- Dimensão ética da sexualidade humana:

- Compreensão da sexualidade como uma das componentes
mais sensíveis da pessoa, no contexto de um projecto de vida que integre valores (por exemplo: afectos,ternura, crescimento e maturidade emocional, capacidade de lidar com frustrações, compromissos, abstinência voluntária) e uma dimensão ética;

- Compreensão da fisiologia geral da reprodução humana;

- Compreensão do ciclo menstrual e ovulatório;

- Compreensão do uso e acessibilidade dos métodos contraceptivos e, sumariamente, dos seus mecanismos de acção e tolerância (efeitos secundários);

- Compreensão da epidemiologia das principais IST em Portugal e no mundo (incluindo infecção por VIH/vírus da imunodeficiência humana — HPV2/vírus do papiloma humano — e suas consequências) bem como os métodos de prevenção.

- Saber como se protege o seu próprio corpo, prevenindo a violência e o abuso físico e sexual e comportamentos sexuais de risco, dizendo não a pressões emocionais e sexuais;

- Conhecimento das taxas e tendências de maternidade e da paternidade na adolescência e compreensão do respectivo significado;

- Conhecimento das taxas e tendências das interrupções voluntárias de gravidez, suas sequelas e respectivo significado;

-Compreensão da noção de parentalidade no quadro de uma saúde sexual e reprodutiva saudável e responsável;

- Prevenção dos maus tratos e das aproximações abusivas.

Ensino secundário
- Compreensão ética da sexualidade humana.

- Sem prejuízo dos conteúdos já enunciados no 3.º ciclo,sempre que se entenda necessário, devem retomar -se temas previamente abordados, pois a experiência demonstra
vantagens de se voltar a abordá -los com alunos que, nesta
fase de estudos, poderão eventualmente já ter iniciado a vida sexual activa. A abordagem deve ser acompanhada por uma reflexão sobre atitudes e comportamentos dos
adolescentes na actualidade:

- Compreensão e determinação do ciclo menstrual em geral, com particular atenção à identificação, quando possível, do período ovulatório, em função das características dos ciclos menstruais.

- Informação estatística, por exemplo sobre:
-Idade de início das relações sexuais, em Portugal e na UE;
- Taxas de gravidez e aborto em Portugal;
- Métodos contraceptivos disponíveis e utilizados; segurança
proporcionada por diferentes métodos; motivos que
impedem o uso de métodos adequados;
- Consequências físicas, psicológicas e sociais da maternidade
e da paternidade de gravidez na adolescênciae do aborto;
- Doenças e infecções sexualmente transmissíveis (como
infecção por VIH e HPV) e suas consequências;
- Prevenção de doenças sexualmente transmissíveis;
- Prevenção dos maus tratos e das aproximações abusivas.

Recomendamos ...

Arquivo do blog