sexta-feira, 21 de junho de 2013

Relações que "acabam mas não acabam"


Mensagem:
Eu sei que isto parece uma estupiz escrever e "desabafar", mas a verdade é que eu já não sei bem o que fazer. É muito simples.
Tudo começou, basicamente, há 4 meses. Nós namoravamos, mas ele acabou porque eu iria para outra escola, longe, e não nos iríamos ver tantas vezes. Eu aceitei a decisão tomada, mas acho muito normal ter ficado um pouco chateada. Mas não fiquei chateada por ele ter acabado comigo, mas sim por não ter falado comigo antes. Se calhar não estou a ser clara... vou especificar. Eu decidi ir falar com ele porque ele não me respondia ás mensagens, nem ás chamadas nem aos mails. Eu achei muito estranho. Mais tarde manda-me um e-mail a dizer que queria acabar. Concluíndo, fiquei chateada por ele não me ter falado antes. 

Eu fui para a minha vida, ele para a dele......Ficámos algum tempo ser falar. Mais tarde começamos outra vez a falar - por mensagens, por mails....etc..

Em Fevereiro as coisas aqueceram porque ambos começámos a mandar indirectas que algo podia ainda acontecer. Na verdade, eu nunca acabei de gostar dele. Soube que ele teve outra namorada. Mas já acabou; felizmente! (assim tenho o caminho livre!!!) Eu vi o hoje, e ele viu-me. Mas estávamos longe um do outro. Ele ficou muito tempo a olhar. Talvez para certificar que era mesmo eu....Não sei! Gostava de saber se ele gosta de mim...Mas como? Vou falar com ele....Escrevo-lhe..telefono-lhe ou não faço nada! Obrigada.

Resposta
O que nós podemos dizer-te é, quase de certeza, algo que já disseste a ti própria: fala com ele; falem dos vossos sentimentos e definam a vossa relação.
Contudo, se o teu lado descreve a realidade, ele tem de "crescer" um pouco para ser capaz de assumir as suas decisões (e indecisões).
Pela tua parte, se não houver da parte dele nenhum sentimento mais forte por ti, não insistas numa relação de um sentido só.

terça-feira, 11 de junho de 2013

Primeira vez: com que idade?


Mensagem:
Boas. Tipo, queria saber por que é que os adultos sempre dizem "Ai 13 ou 14 anos é muito novo". Não vejo razão para se ter uma idade específica para ter relações sexuais. Será que um rapaz de 13 ou 14 anos está apto para ter relações sexuais?? ou existem essas tais restrições que não percebo? Obrigado.

Resposta:
Olá!
A "idade específica" para ter relações sexuais tem a ver com maturidade. 
Maturidade dos órgãos sexuais e do aparelho reprodutor e (espera-se) maturidade mental para compreender as implicações de uma relação sexual (nota que neste caso por relação sexual não queremos dizer "acto sexual").

Muitas vezes um rapaz aos 13 anos pode ter os seus órgãos sexuais desenvolvidos, mas pode querer ter sexo apenas para experimentar, para ver se é capaz, para ter prazer sexual... No entanto, o comentário dos adultos (que, quer queiras e aceites, quer não, têm mais experiência e sabem mais) é o de esperar - porque sabem que a tal maturidade mental é essencial.

Num exemplo - que é apenas isso, um exemplo - podes talvez entender o paralelo: a carta de condução tira-se aos 18, mas podes saber conduzir desde a altura em que chegas aos pedais, certo? 
Não é por acaso que se definiram os 18 anos: tem a ver com a tal maturidade que se deve ter (e que muita malta não tem, pois continua a espetar-se/matar-se e a achar que muita velocidade sempre é que mostra valor). (Nota: não queremos com isto dizer que o sexo deve começar aos 18!)

O sexo não tem limite para se começar (nem para acabar), mas deve haver o bom senso de saber mais, de ser mais "crescido" de cabeça/cérebro - aí sabe-se mais e têm-se relações com outra maturidade. Percebes?

No entanto, se tiveres relações aos 13, tudo bem, não há nada contra, mas toma sempre precauções - tu e ela, ok?

Fica bem!

sábado, 1 de junho de 2013

Período: tenho 13 anos e não aparece


Mensagem:
Eu tenho 13 anos, só que ainda não me apareceu o período! Mas nas minhas cuecas aparece um líquido escuro/claro (depende dos dias e do que faço).

Resposta:
Muitas vezes pode haver corrimentos da vagina sem que tal queira significar que algo está mal.
Protege-te utilizando os pensinhos diários.
Mas fica alerta: corrimentos a cheiral mal ou comichões intensas são razão para ires logo ao médico, ok?

sexta-feira, 31 de maio de 2013

Período: atrasos


Mensagem:
O período pode atrasar mesmo se não estiver grávida?

Resposta:
Sim, pode.
Nem todas as mulheres têm períodos regulares. Para além disso, em casos extremos, doenças graves ou problemas psicológicos podem ter influência na menstruação.

terça-feira, 21 de maio de 2013

Período fértil


Mensagem:
Como podemos saber qual é o dia fértil? Este é o dia que é mais provavel engravidar? 

Resposta:
O dia fértil não é só um, são cerca de seis e situam-se a meio do ciclo menstrual. Se tiveres um ciclo de 28 dias, o período fértil situar-se-á entre o dia 11 e o dia 16, a partir do dia em que começou a tua menstruação.

Mas atenção! Nunca te fies só nisto! O corpo da mulher varia de pessoa para pessoa, e há por aí muitas crianças filhas do período "seguro".
Se queres realmente prevenir uma gravidez, protege-te! Protejam-se! Usem o preservativo combinado ou não com outro método.

sábado, 11 de maio de 2013

Período - nunca mais chega...


Mensagem:
Eu já tenho o corrimento há quase 2 anos... quando posso esperar ter o período??? Há livros que dizem dois anos depois e outros que dizem apenas um ano depois do começo do corrimento.... não sei em que acreditar! Ajudem-me, por favor!

Resposta:
O corrimento é normal, desde que não tenha mau cheiro ou cor amarelada. Se assim for, vai imediatamente ao médico. Isto porque a vagina é uma zona em que existe lubrificação, que é feita por esses fluidos, em quantidade moderada, claro.

A vinda do período depende de outros factores, como o peso da rapariga, por exemplo. É esse um dos factores essenciais, conjuntamente com alguma carga genética e a "velocidade" do desenvolvimento da puberdade.

Se o teu corrimento não apresentar as características que referimos acima, espera calmamente que te venha o período.

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Perder a virgindade


Mensagem
Gostaria de saber se na primeira relação sexual se perde logo a virgindade ou não.

Resposta
Antes de mais o que é a virgindade?
É romper o hímen ou é ter relações sexuais completas?
Nós achamos que é a segunda opção... Mesmo se a questão da virgindade hoje em dia está muito atenuada.

Por nós, perderás a virgindade se tiveres relações sexuais completas.

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Portugal no topo da gravidez adolescente e VIH


Portugal é o segundo país da Europa Ocidental com maior número de mães adolescentes e o primeiro na infecção pelo VIH, alertam os promotores de um simpósio sobre educação sexual que começa quinta-feira em Lisboa.
A gravidez na adolescência e os comportamentos de risco associados à sexualidade são alguns dos tópicos que vão ser debatidos até sábado no "4º Simpósio de Sexologia da Universidade Lusófona de Lisboa", este ano dedicado à educação sexual.

De acordo com Américo Baptista, promotor do encontro e especialista em sexologia, o objectivo é "tentar perceber como estamos em educação sexual e quais os caminhos que devemos seguir".

"Pretendemos avaliar como nos situamos em termos de educação sexual em relação aos nossos congéneres europeus" e além de especialistas e entidades portuguesas, foram convidados peritos estrangeiros na matéria que vão abordar a situação em Espanha, Itália e Inglaterra, explicou.

Em termos comparativos, o especialista indicou que Portugal "está mal" no que respeita à gravidez na adolescência, com 22 casos em cada mil jovens entre os 10 e os 19 anos, muito longe de países como Espanha, Bélgica, Itália ou Suíça, todos com uma taxa de gravidez abaixo dos 10 por cada mil adolescentes.

Nesta matéria, Portugal só é superado a nível europeu pelo Reino Unido (30,8), Eslováquia (26,9) e Hungria (26,5), de acordo com indicadores da UNICEF, publicados em 2001.

Também quanto ao VIH (Vírus da Imunodeficiência Humana), Portugal é ci ado pelas piores razões, sendo o país da Europa Ocidental com maior taxa de incidência de infecção.

Com 27.013 casos acumulados desde 1983, Portugal registou 1.174 novas notificações só no primeiro semestre de 2005.

No entanto, Américo Baptista sublinhou que o país evidencia as mesmas tendências evolutivas verificadas no resto da Europa, como o crescimento da transmissão entre heterossexuais, a diminuição de casos associados à toxicodependência e o aumento de casos de sida entre os 45 e os 54 anos.

Para prevenir os comportamentos de risco, "o conhecimento é fundamental , mas não chega", segundo um estudo conduzido por Américo Baptista junto de 1.018 estudantes universitários portugueses, que será apresentado pela primeira vez no simpósio.

De acordo com a pesquisa, "a relação entre os conhecimentos e o comportamento foi praticamente nula", o que significa que "quanto maior foi a prática de comportamentos de risco mais os jovens estavam conscientes daquilo que estavam a fazer".

Por isso, o estudo conclui que as campanhas de sensibilização têm uma eficácia muito limitada junto da população.

O especialista defende que a educação sexual nas escolas não deve apenas transmitir conhecimentos sobre os riscos associados à sexualidade, mas também motivar os jovens "a querer e a ser capaz" de adoptar uma atitude realmente preventiva.

A formação dos professores em educação sexual, o papel da comunicação social ou as disfunções sexuais são outros dos temas do simpósio, que reúne responsáveis de entidades como a Associação para o Planeamento da Família, a Liga Portuguesa Contra a Sida ou a Confederação Nacional das Associações de Pais.

domingo, 21 de abril de 2013

Pénis: tamanho


Mensagem:
Gostaria de saber o tamanho normal de um pénis com 14 anos de idade.

Resposta:
Aos 14 anos podes estar em estádios de desenvolvimento sexual diferente de outros rapazes da mesma idade. Por isso, não fornecemos medidas, até porque a nível de desenvolvimento do pénis, ele continua a desenvolver-se até aos 17, 18 anos (nota: desenvolver-se não significa crescer desmesuradamente).

Mais: a nível de satisfação sexual feminina, importa-lhes mais o desempenho, o carinho, o respeito do que o tamanho... a sério!

Tudo de bom!

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Em que idade deve ser a primeira vez


 Tal e como não existe uma altura certa para estar preparado a iniciar a vida sexual activa, também não existe uma data para a primeira vez. Existem várias razões pelas quais um jovem se pode sentir atraído a ter relações sexuais pela primeira vez:

-Forma de conseguir maior proximidade;
-Um modo de ter novas experiências;
-Para provar a maturidade que se alcançou;
-Para ser como os outros amigos e conhecidos;
-Como um meio de encontrar alívio de certas pressões;
-Para investigar os mistérios do amor;
-Por desejos e atrações sexuais;
-Por amor.

Embora existam muitos motivos que levam os adolescentes a ter relações sexuais pela primeira vez e continuar a actividade sexual, estes não são todos igualmente válidos, uns são francamente melhores que outros.

Foi feita uma investigação em que se pediu a adolescentes que explicassem o que os levou a ter relações sexuais pela primeira vez. Descobriu-se que:

73% das raparigas e 50% dos rapazes: Tiveram relações sexuais pela primeira vez porque se sentiram pressionados a faze-lo! 11% das raparigas e 6% dos rapazes: Escolheram o amor como a razão para terem deixado de ser virgens.Isto é muito preocupante, porque significa que muita gente perdeu a virgindade sem realmente o desejar. Ou seja, há o risco de se começar a vida sexual sem estar verdadeiramente preparado para o fazer.

Existem muitas ideias, algumas falsas, sobre a primeira vez. Os filmes por exemplo, costumam mostrar cenas muito exageradas, apresentando a primeira vez como demasiado fácil ou demasiado difícil. Também ouvimos coisas como "Eu não senti nada de especial.", "Foi muito difícil.", "Não gostei nada, não era nada do que estava à espera.", "Não sei explicar, mas acho que foi bom!", etc.. Às vezes, já não sabemos em quem acreditar e a primeira vez parece um mistério.

Na realidade, a primeira vez é diferente de pessoa para pessoa e varia com o grau de confiança/compromisso, intimidade/ próximidade e paixão/atracção física que se tem com o companheiro(a). Quanto maior for a intensidade destas três coisas, melhor será a relação amorosa, e maior será a probabilidade de que a primeira vez seja uma experiência diferente e positiva.

Há ainda duas ideias falsas sobre a primeira vez. A primeira é que a mulher sangra quando perde a virgindade. Isto não é certo, visto que algumas mulheres sangram e outras não. O facto de algumas mulheres não sangrarem pode dever-se a várias razões, desde a constituição física até à prática de desporto.

A segunda ideia falsa é que na primeira vez a mulher não engravida. A probabilidade de uma mulher ficar grávida na primeira vez é igual à das restantes vezes que tiver relações sexuais. Assim como tem a mesma de contrair doenças sexualmente transmissíveis.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares

Objectivo Mínimos da Ed.Sexual (por Ciclo)

1.º ciclo (1.º ao 4.º anos)

- Noção de corpo;

- O corpo em harmonia com a Natureza e o seu ambiente social e cultural;

- Noção de família;

- Diferenças entre rapazes e raparigas;

- Protecção do corpo e noção dos limites, dizendo não às
aproximações abusivas.


2.º ano
- Para além das rubricas incluídas nos programas de meio físico, o professor deve esclarecer os alunos sobre questões e dúvidas que surjam naturalmente, respondendo de forma simples e clara.


3.º e 4.º anos
- Para além das rubricas incluídas nos programas de meio físico, o professor poderá desenvolver temas que levem os alunos a compreender a necessidade de proteger o próprio corpo, de se defender de eventuais aproximações abusivas, aconselhando que, caso se deparem com dúvidas ou problemas de identidade de género, se sintam no direito de pedir ajuda às pessoas em quem confiam na família ou na escola.


2.º ciclo (5.º e 6.º anos)
- Puberdade — aspectos biológicos e emocionais;

- O corpo em transformação;

- Caracteres sexuais secundários;

- Normalidade, importância e frequência das suas variantes
biopsicológicas;

- Diversidade e respeito;

- Sexualidade e género;

- Reprodução humana e crescimento; contracepção e
planeamento familiar;

- Compreensão do ciclo menstrual e ovulatório;

- Prevenção dos maus tratos e das aproximações abusivas;

- Dimensão ética da sexualidade humana.


3.º ciclo (7.º ao 9.º anos)
- Dimensão ética da sexualidade humana:

- Compreensão da sexualidade como uma das componentes
mais sensíveis da pessoa, no contexto de um projecto de vida que integre valores (por exemplo: afectos,ternura, crescimento e maturidade emocional, capacidade de lidar com frustrações, compromissos, abstinência voluntária) e uma dimensão ética;

- Compreensão da fisiologia geral da reprodução humana;

- Compreensão do ciclo menstrual e ovulatório;

- Compreensão do uso e acessibilidade dos métodos contraceptivos e, sumariamente, dos seus mecanismos de acção e tolerância (efeitos secundários);

- Compreensão da epidemiologia das principais IST em Portugal e no mundo (incluindo infecção por VIH/vírus da imunodeficiência humana — HPV2/vírus do papiloma humano — e suas consequências) bem como os métodos de prevenção.

- Saber como se protege o seu próprio corpo, prevenindo a violência e o abuso físico e sexual e comportamentos sexuais de risco, dizendo não a pressões emocionais e sexuais;

- Conhecimento das taxas e tendências de maternidade e da paternidade na adolescência e compreensão do respectivo significado;

- Conhecimento das taxas e tendências das interrupções voluntárias de gravidez, suas sequelas e respectivo significado;

-Compreensão da noção de parentalidade no quadro de uma saúde sexual e reprodutiva saudável e responsável;

- Prevenção dos maus tratos e das aproximações abusivas.

Ensino secundário
- Compreensão ética da sexualidade humana.

- Sem prejuízo dos conteúdos já enunciados no 3.º ciclo,sempre que se entenda necessário, devem retomar -se temas previamente abordados, pois a experiência demonstra
vantagens de se voltar a abordá -los com alunos que, nesta
fase de estudos, poderão eventualmente já ter iniciado a vida sexual activa. A abordagem deve ser acompanhada por uma reflexão sobre atitudes e comportamentos dos
adolescentes na actualidade:

- Compreensão e determinação do ciclo menstrual em geral, com particular atenção à identificação, quando possível, do período ovulatório, em função das características dos ciclos menstruais.

- Informação estatística, por exemplo sobre:
-Idade de início das relações sexuais, em Portugal e na UE;
- Taxas de gravidez e aborto em Portugal;
- Métodos contraceptivos disponíveis e utilizados; segurança
proporcionada por diferentes métodos; motivos que
impedem o uso de métodos adequados;
- Consequências físicas, psicológicas e sociais da maternidade
e da paternidade de gravidez na adolescênciae do aborto;
- Doenças e infecções sexualmente transmissíveis (como
infecção por VIH e HPV) e suas consequências;
- Prevenção de doenças sexualmente transmissíveis;
- Prevenção dos maus tratos e das aproximações abusivas.

Recomendamos ...

Arquivo do blog