Portugueses fazem sexo três vezes por semana


Em Portugal faz-se mais sexo do que no resto do Mundo. A conclusão retira-se do Inquérito Global sobre Disfunção Erétil, no qual 68% de homens e mulheres portugueses garantem que têm relações sexuais pelo menos duas vezes por semana (e 23 por cento dizem fazer sexo três vezes por semana, a percentagem mais elevada no estudo).


Talvez por modéstia, nos restantes doze países ouvidos, apenas 55 por cento dos inquiridos responderam que o fazem de duas a cinco vezes por semana. O mais frequente, refira-se, até é a resposta ‘uma vez por mês'. O fim de semana é o momento preferido dos portugueses para ter sexo. No top das escolhas, o sábado foi a primeira opção para 74 por cento de homens e mulheres, seguindo-se o domingo (57 por cento). A sexta-feira foi a terceira escolha, reunindo 51 por cento das preferências. No que respeita à melhor hora, a noite está no topo das preferências. Apesar de a grande maioria garantir que lhe é indiferente, o horário entre as 22h00 e as 02h00 foi escolhido por 29 por cento. E é no verão que os portugueses mais fazem sexo.

O cansaço, refere ainda o inquérito, é a desculpa mais vezes escolhida por um ou por outro parceiro para evitar ter relações sexuais, seguida das dores de cabeça e musculares.

O estudo foi realizado pela Sociedade Portuguesa de Andrologia, Associação Portuguesa de Andrologia, Associação Portuguesa de Urologia e Lilly Portugal, que ouviram 1001 portugueses com mais de 33 anos. Do total, 600 são homens e 401 são mulheres.

Namorar, namorar, namorar. Esta é a palavra-chave para manter viva a chama da união ou do casamento dos casais de todas as idades. Não devem ser só os jovens e descomprometidos a namorar. Namorar muito e sempre que se tenha disponibilidade. Essa é a opinião do sexólogo Santinho Martins.

O especialista afirmou que as famílias que vivem hoje numa situação economicamente "suportável" devem "namorar" e fomentar o clima de romance entre homem e mulher. "Jantar fora ou preparar um jantar em casa, criar um ambiente romântico, com velas e uma comida requintada, ajuda ao namoro", afirma Santinho Martins.

Os casais que enfrentam dificuldades económicas (vinte por cento dos portugueses) estão mais preocupados na subsistência e o ambiente de romance desaparece. O especialista salienta que, nesses casos, é importante a afinidade no casal para ultrapassar as dificuldades.

Quais os sinais de que uma relação está em risco?
A falta de sexo não é, por si só, um indicador de que algo não está bem. Antes do afastamento físico, o casal começa a distanciar-se e a refugiar-se no silêncio. O silêncio é a porta de entrada para a crise e o diálogo e o respeito a melhor forma de nos protegermos.

Como se apimenta a relação?
Tomando consciência de que o outro não nos pertence e que não podemos desistir de cativar, de namorar e de surpreender. A monotonia a que nos entregamos é, sem dúvida, um caminho tumultuoso... Dá trabalho, mas devemos usufruir do outro em exclusivo, nem que por breves momentos!

Falta de desejo, o que fazer?
Tentar perceber! São inúmeras as causas que nos podem afastar dos lençóis... As preocupações e a vida exigente estão no topo dos fatores, mas existem outros de que é exemplo o uso de fármacos, como os ansiolíticos ou os antidepressivos. O mais importante? Não cobrar nem insistir!

A mulher quer surpreender e seduzir o marido. Quais são as dicas?
Cada relação é única! As estratégias deverão ser traçadas de acordo com a nossa intimidade. Elogiar e provocar é importante e é tão simples como escrevermos uma mensagem ou um e-mail atrevido. Chamar para um banho a dois, esquecer os pijamas polares e voltar a sentir a pele do outro, ou permitir que se entreguem sem pressa, o mais importante é mostrar-se, verdadeiramente, disponível!

Planos a dois... Como quebrar a rotina do casamento?
Definirem juntos coisas que ambos gostem de fazer a dois. Com o nascimento dos filhos, muitos casais esquecem-se de que já foram amantes. Importante é que conservem o ‘nós' e que não desistam de o procurar.

http://www.cmjornal.xl.pt

Comentários

Pedro Luzograal disse…
Portugal is the Biggest Racist country that i have ever lived in. I feared for my life there and i consider myself lucky that my family got out alive! I have never lived in such poverty (Sopas dos Pobres everyday) 40% unemployment rate and 60% of the population earn less than $932 USD per month, and that's considered Middle Class here! Within the European Union it is the worst of the worst place to live.

The bottom line is the bulk of the People in our poor country exist in a brainless comma that is fed by Ignorance, anti-Spanish hate, and severe Racism of pretty much everybody that isn't Portuguese! And, Portugal started the Global Slave Trade in 1441 so it is definitely NOT a safe place for Blacks!!

I found important websites that explain the Severe multi-generational Racism and Hate that exist in Portugal today, and i highly encourage all to read them and spread the word in order to avoid innocent, and desperate people from living or visiting there. Get educated on the Truths about Racist Portugal now.



1) https://www.theroot.com/a-white-journalist-discovers-the-lie-of-portugal-s-colo-1790854283

2) https://saynotoracistportugal.neocities.org/

3) http://www.discoveringbristol.org.uk/slavery/routes/places-involved/europe/portugal/

4)SOPAS DOS POBRES EVERYDAY IN PORTUGAL BECAUSE OF NON EXISTENT ECONOMY:

https://www.noticiasaominuto.com/pais/764453/sopa-dos-pobres-foi-criada-ha-anos-mas-ainda-existe-problemas-persistem

5) http://www.ipsnews.net/2011/10/portugal-crisis-pushes-women-into-prostitution/

6) https://www.theatlantic.com/business/archive/2013/06/the-mystery-of-why-portugal-is-so-doomed/276371/


Be SAFE friends. Hugs.